QUEM DEVEMOS ADORAR?

 
 
Adorar
 
 
 

Então caí aos seus pés para adorá-lo, mas ele me disse:”Não faça isso! Sou servo como você e como os seus irmãos que se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus. Adore a Deus! O testemunho de Jesus é o espírito profecia”. Apocalipse 19:10

Com bastante frequência tenho ouvido a expressão “eu adoro fulano”, ou eu “adoro este artista”, “adoro este quadro”, e por aí vai uma infinidade de adoração.

Creio que muitos falam sem pensar, assim como uma grande maioria dos que conhecem as Escrituras.

O texto que encima esta meditação apresenta o apóstolo João recebendo mensagem de um anjo, e maravilhado com tal aparição, cai a seus pés em atitude de adoração. Imediatamente o anjo esclarece que somente Deus deve ser adorado.

Noutra ocasião, João também foi impedido de adorar um anjo: “Eu, João, sou aquele que ouviu e viu estas coisas. Tendo-as ouvido e visto, caí aos pés do anjo que me mostrou tudo aquilo para mim, para adorá-lo. Mas ele me disse: Não faça isso! Sou servo como você e seus irmãos, os profetas, e como os que guardam as palavras deste livro. Adore a Deus!”  (Apocalipse 22:8,9).

No monte da tentação Jesus também advertiu ao diabo: Jesus respondeu: “Está escrito: Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto” (Lucas 4:8)

Através das páginas da Bíblia encontramos profetas, reis e sacerdotes adorando a Deus.

Tornou-se bastante comum o uso desta expressão infeliz, até dentro das igrejas evangélicas, e pior, na plataforma por pessoas que jamais deveriam usá-la.

Portanto, já é tempo de mudar este jeito de mostrar admiração. Seria melhor trocar a palavra adorar por amar. “Amei este quadro, este jantar, esta cidade, fulano de tal”. Vamos dirigir nossa adoração somente a Deus que se agradará sobremaneira.

Assim, nosso cântico será coerente: “Vamos adorar a Deus, vamos adorar a Deus. Vamos exaltar seu nome vamos adorar a Deus. Ele veio em minha vida num dia especial, trocou meu coração por outro sem igual, e essa é a razão porque eu canto assim: vamos adorar a Deus”! ·

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *