CARTA DE UM LEPROSO

esperança1

         Ó minha alma, espera silenciosa somente em Deus,
porque dele vem a minha esperança.
Só ele é a minha rocha e a minha salvação;
é a minha fortaleza; não serei abalado.
Em Deus está a minha salvação e a minha glória;
Deus é o meu forte rochedo e o meu refúgio.(Salmo 62:5-7)

O autor desta carta foi um missionário muito abençoado pelo Senhor em Telugo, na Índia. Muitos, pela sua instrumentalidade foram trazidos do paganismo para a  luz do Evangelho de Cristo. O Senhor, porém, não permitiu que o seu servo continuasse a servi-lo, pois uma vez atacado de lepra foi obrigado a regressar para a Inglaterra, onde durante 15 anos sofreu num leito de enfermidade, privado de ter parte no serviço que tanto amava e isolado dos seus entes queridos. Vamos a sua carta publicada em Leituras Cristãs de 1920/1921.

“Há quase quinze anos que não o vejo, de forma que apreciei imensamente a sua carta. Tenho tido que suportar uma pesada cruz, mas alegro-me em poder dizer-lhe que a graça do Senhor tem sido suficiente para mim em cada passo desta jornada.

Ao princípio, não me podia conformar com a minha sorte, pois eram grandes os planos que tinha formado para o futuro. No meu campo de trabalho na Índia havia muitas almas que  estavam se convertendo ao Senhor, e já em pensamento antecipava o gozo de batizar alguns milhares.

Eu tinha orado ao Senhor, dizendo: “Senhor, permite-me que seja Teu servo, cheio do Teu Espírito, e que a Ti dedique todo o meu pensamento, toda a minha energia, toda a minha vida”. Ele respondeu-me, mas em vez de permitir que O servisse como eu planejava, separou-me para sempre desse trabalho.

Jazendo aqui no hospital na Inglaterra, e quando os primeiros horrores da perspectiva do prolongado sofrer se apoderaram de mim, pensava muitas vezes que o Senhor me tinha esquecido e desamparado, que de mim tinha ocultado Sua face. Mas não era assim. Quanto mais dores tenho tido de suportar, mais fácil se me tem tornado suportá-las, e agora regozijo-me a todo o momento no meu Salvador.

Eu sei que já não pode faltar muito tempo para me encontrar com Ele, mas, enquanto estou no corpo, não posso conservar-me em silêncio. Preciso dar o meu testemunho, preciso falar do Seu grande amor por mim, e já escrevi uma tese para ser lida no Congresso Missionário na Índia, sobre: “Como desempenhar bem o nosso lugar na vida”.

O irmão me pergunta como estou. Já perdi a vista e a voz; não tenho pés nem artelhos, não tenho braços; mas o meu coração não está morto. Ainda me sinto movido de comiseração e de desejo. Ainda anelo pela extensão do Reino de Cristo sobre a terra, e isto mais do que nunca.

Não posso ler nem escrever, mas as bondosas enfermeiras chegam-se para me ler e escrevem-me também o que lhes posso ditar. Tenho tudo quanto preciso e não estaria mais confortável se estivesse na minha própria casa.

Enquanto viver, espero preparar outros para o trabalho na Índia, e ainda que me encontro morrendo lentamente, não devo deixar de continuar a fazer alguma cousa que contribua para a extensão do Reino do Redentor depois do meu passamento.

Estou certo que o irmão se lembrará de mim nas suas orações para que eu possa ser humilde, paciente e fiel até ao fim. Presentemente não sei o que seja ter dúvidas, e se eu ainda possuísse a minha voz havia de cantar todo o dia. Em certas ocasiões sinto-me tão feliz que suspiro partir para o meu lar celeste e habitar com o meu Bem Amado para sempre.

Que o Deus de todo o conforto o conforte e lhe conceda a Sua graça, inundando-o com a luz da Sua presença de maneira que dia a dia o irmão seja transformado de glória em glória na Sua imagem, é a oração do seu irmão no Reino de Cristo. John E.

(Achei por bem publicar esta carta, quando muitos desistem por pequenos problemas, e fazem deles uma montanha).

Orlando Arraz Maz

 

Esta entrada foi publicada em BIOGRAFIAS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *