CRISTO, AMIGO OU CONHECIDO?

A diferença entre um amigo  e um conhecido é  bastante notória. O amigo é  aquele com quem compartilhamos tudo o que pensamos, o que sentimos, nossos medos e frustrações, nossos sucessos e alegrias. Diante dele não nos acanhamos e nos sentimos à vontade. Escolhemos seu ombro para chorar, e ele entende nossas lágrimas, e nos conforta. Já com o conhecido não se dá o mesmo, pois é aquele que muitas vezes nem sabemos o seu nome, onde mora, o que faz.

Com Jesus como tem sido o nosso relacionamento? É amigo ou conhecido. O encontramos com frequência ou raramente? Claro que não se trata de algo pessoal, mas espiritual. Um contato do coração, uma aproximação de fé.

Para muitos Cristo é alguém pouco conhecido, raramente procurado, exceto em tempos escuros e sombrios. Muitos desconhecem detalhes de sua vida, tais como: quando por aqui viveu, a casa onde morou, quem eram seus familiares e amigos, seus últimos dias neste mundo, como sua morte na cruz,  ressurreição e ascensão. O que sabem é tão pouco que, passados os dias religiosos, se esquecem de tudo rapidamente.

Jesus quer ser o amigo verdadeiro de todos, pois provou seu amor e lealdade morrendo na cruz, saindo vitorioso do túmulo no terceiro dia.  Entre nossos melhores amigos, não há sequer um como o Senhor Jesus que entende nossas perturbações e que verdadeiramente enxuga nossas lágrimas.

Quando o ser humano deixar de ser apenas conhecido de Jesus e tornar-se seu amigo, o panorama será bem diferente, a alegria será completa e a paz será perdurável.

Jesus já declarou sua amizade. Suas palavras registradas nas Escrituras são bem claras: “Vós sois meus amigos, se fizerdes o que vos mando. Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que o seu senhor faz; mas eu vos chamo amigos, pois vos revelei tudo quanto ouvi de meu Pai”. (Ev de João 16:14,15).

Vale a pena fazer a vontade de Cristo revelada na sua Palavra, e ganharmos sua amizade que jamais falhará.

Tenha Jesus como Amigo e Salvador, e não apenas como mero conhecido.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *