MEDITAÇÕES NO LIVRO DE RUTE – FARTOU DE BENS OS FAMINTOS (10)

                                    Na contabilidade de Deus nossos  lucros nunca são esquecidos. Aquele que nos vê em secreto, e seu olho é preciso e infalível, nos 
recom­pensará (Mat. 6:6). “O tempo que permanecemos aos pés do Salvador determina nosso lucro, reverti­do em bênçãos incontáveis.
                                   Quando em contrição nos achegamos a ele e nos colocamos aos seus pés traspassados, e im­ploramos que nos cubra com seu precioso manto carmesim, ele nos atende imediatamente. Suas palavras nos confortam e suas bênçãos nos enchem de satisfação.
                                     Assim foi com Rute. Naquela noite memorável, após a festa, deitando-se aos pés de Boaz e sendo coberta pela sua capa(3:9), recebe como recompensa, ao raiar da manha, seis medidas de cevada.
                                       O gesto de Boaz se assemelha com o querido Bom Pastor do Salmo 23. “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”. Um que nos tira o temor e nos dá consolo e coragem, bondade e misericór­dia, mesa farta, e uma casa por longos dias (João 14).
                                        O vale percorrido por Rute desde Moabe  foi escuro e pro­fundo, com  dias cheios de incerteza e medo. Seus dias se transfor­maram na mais vibrante realidade,confiando no Pastor de todo o seu coração. Atravessou com calma o vale, mas sempre apoiada em sua vara e em seu cajado.
                               Será que a experiência de Rute tem sido a nossa experiência dia após dia? Ou será que nos esquecemos de nos apoiar no bordão do Pastor, andando com as nossas “pernas”, e ao final só temos contemplado  quedas e fracassos ao longo de  caminho?
                                         O nosso remidor quer que sejamos vitoriosos, que andemos firmados em seu bordão, pois a sua mesa é sempre farta e preciosa.
                                          Rute ganhou de Boaz seis  medidas de cevada. Seu coração se revela assas bondoso e terno. E numa demonstração  de carinho ele mesmo toma o manto de Rute, agora repleto de cevada, e o coloca às suas costas, e despede-a para  junto de sua sogra, agora alegre é tranquila.
                                            As seis medidas oferecidas por Boaz nos  leva a pensar no significado bíblico do numero seis – o número imperfeito. A medida que faltava para com­pletar a sétima, cujo número nos fala do que é per­feito, foi completada com a própria entrega de Boaz,  oferecendo-se para ser o resgatador de Rute.
                               Em Cristo temos ampla e farta provisão. Ele nos cumula de bênçãos eternas e se oferece a si mesmo em preço de redenção, e nos alimentamos dele, o Salvador Perfeito, como o verdadeiro pão do céu.
Que assim seja.
Orlando Arraz Maz  
Esta entrada foi publicada em O LIVRO DE RUTE. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a MEDITAÇÕES NO LIVRO DE RUTE – FARTOU DE BENS OS FAMINTOS (10)

  1. TON 2011 disse:

    Achei interessante o comentário das 6 medidas e aplicação – (7ª Boaz). Grato. Abraço, Arraz,tonico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *