NICODEMOS SALVO POR CRISTO

 

NicodemosEra tarde da noite. Uma noite escura tão escura quanto o coração de Nicodemos.

Por mais que desejasse ir para cama, algo o impedia.

Talvez receoso de ser visto pelos amigos, ou querendo, na calada da noite, estar sozinho com o famoso Rabi.

Mil pensamentos passavam por sua cabeça.

Os milagres que vira como a transformação da água em vinho, os humildes pescadores agora discípulos do Mestre, sendo ensinados a serem pescadores de almas…

E pensava mais: quem poderia fazer tais coisas? … outros tentaram, mas sem sucesso, sem o carisma do Mestre em Israel.

E com tais pensamentos, resoluto, foi à casa humilde onde se encontrava Jesus.

E sob a luz bruxuleante, talvez vinda do lampião, pode olhar nos olhos de Jesus e declarar-lhe suas convicções:

“Rabi, bem sabemos que és mestre vindo da parte de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes se Deus não for com ele”.

Mas que sinais teria visto Nicodemos? O milagre de Cana da Galileia? A conversão de Natanael? A transformação de rudes pescadores em pescadores de almas? A alegria de André em contar ao seu irmão Pedro a grande descoberta?

E Nicodemos foi à procura de Jesus. O príncipe dos judeus e mestre em Israel, diante do Rei dos reis, aprendendo a mais notável lição do Mestre vindo dos céus que o transformou em nova criatura.

Bendita aquela noite.

Aos poucos as palavras de Jesus começaram a iluminar o coração de Nicodemos. Em princípio pareciam tão difíceis, mas a habilidade do Mestre, sua paciência e o seu amor por Nicodemos levaram-no a entender o caminho do novo nascimento.

Nada de reencarnação, de outras vidas, de antigas purificações, e sim do nascimento da água, a bendita palavra de Jesus e do Espírito,

Quem sabe, ao despontar os primeiros raios de sol, Nicodemos resolveu partir, levando no coração a certeza de que Jesus não somente era o Mestre vindo da parte de Deus, mas sim o próprio Deus que veio habitar neste mundo como homem.

Agora Jesus era o seu Salvador.

Pouco tempo depois, diante da controvérsia entre o povo e os religiosos, Nicodemos faz uso da palavra:

“Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conhecimento do que faz?”(João 7:50)

Ah! se todos tivessem ouvido o que ouviu Nicodemos naquela noite. A noite de sua libertação.

Senhor, que eu seja tão corajoso quanto Nicodemos e que a dúvida não abale meu coração.

Dá-me coragem para procurá-lo mesmo tarde da noite e bater à sua porta desejando ouvir suas palavras e entende-las.

Não importa o que os outros falem ou pensem.

Eu quero resolver os problemas que têm machucado a minha alma. Que os teus “sinais” falem ao meu coração.

Dá-me coragem, Senhor, para vencer barreiras e preconceitos. Não permitas que a noite chegue e que eu a atravesse sem contemplar o amanhecer, e entre na noite eterna sem conhecer-te como meu Salvador, o Salvador de Nicodemos.

Dá-me, Senhor, a persistência e o amor de Nicodemos.

Ele seguiu seu Salvador até à morte. Retirou-o da cruz. Limpou suas feridas. Enxugou o sangue do rosto que escorria pelo corpo. Retirou com cuidado a coroa de espinhos. E o banhou com a mistura de mirra e aloés.

Eu quero seguir-te Senhor. Leva-me até à cruz. Abra os meus olhos e me faças ver uma cruz sem um corpo ferido e morto.

Leva-me mais adiante naquele jardim, e que eu veja um túmulo vazio.

E que entenda como Nicodemos que o Mestre vindo da parte de Deus é a ressurreição e a vida.

E que a noite dentro da minha alma dê lugar àquele que é a Luz do Mundo, e viva sob a luz refulgente de Cristo.

Orlando Arraz Maz

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS, POESIAS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *