NOSSA FORÇA OU A FORÇA DE DEUS?

 

As manifestações ocorridas nestes últimos dias têm mexido com nossas emoções, e nos levado a criticar as autoridades responsáveis. Nada mais do que natural, pois sofremos suas consequências e o temor se apossa de cada um, e como diz o ditado “perdemos as estribeiras”. Embora sejam inúmeras as criticas exacerbadas, não se justificam à luz da Palavra de Deus. Vejamos algumas considerações.

Como cristãos somos exortados a orar. O apóstolo Paulo em sua carta a Timóteo dá instruções  específicas: “súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens”, e aqui não vai uma classificação, como homem alto,  baixo, rico, pobre, culto, inculto, etc. ”todos”. Este é nosso compromisso, e confesso que tenho falhado. Em seguida o apóstolo acrescenta: “pelos reis e por todos os que exercem autoridade”. Hoje são poucos os países com reis e rainhas, mas há os presidentes e governadores. Assim, o texto é atualíssimo em nossos dias, como toda a Bíblia. E aqui novamente perdemos pontos!

E por fim nas suas instruções a Timóteo, o resultado dessas orações é obter “uma vida tranquila e sossegada em toda a piedade e honestidade, pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador”. (I Tim. 2)

Mas há cristãos admitindo que além das orações há necessidade de ação, como apoio nas passeatas, palavras de ordem contra o governo, e muitas vezes expressões chulas e ofensivas. Entretanto, não é este o caminho a ser seguido.

Deus não necessita de auxiliares. Nossa parte é orar, interceder e suplicar. Devemos pedir que Ele corrija os culpados, que venha punir os corruptos, desonestos, e que suscite homens tementes a Ele.

Ao olharmos atentamente para as intervenções de Deus no passado, estas foram feitas milagrosamente, sem a colaboração humana. Batalhas contra grandes exércitos foram vencidas tão somente pelo poder de Deus. Assim escreve o profeta: “Eu sou Deus; também de hoje em diante, eu o sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá”? (Isaias 43:13).

Então, voltando aos escritos de Paulo e Pedro, suas instruções foram claras no sentido de oração, intercessão e suplica, e jamais de métodos e ações próprias diante de governantes insólitos, maus, perseguidores e muitos assassinos. Eles não incitavam os cristãos a se revoltarem com atitudes e palavras que desonrassem a fé que professavam.

Quando orarmos com fé o Senhor agirá de forma milagrosa e extraordinária, sem o mover de um simples dedo de nossas mãos. Deixar com o Senhor não é covardia, muito menos apatia frente à situação, mas é próprio dos fortes no Senhor.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *