O DIA DA ANGÚSTIA

 

angustia

 

Nunca se falou com tanta frequência sobre o câncer nestes últimos tempos.  Quer seja pela mídia falada ou escrita, ou entre as famílias. Por certo, há alguém que já perdeu um parente, um amigo, ou um conhecido, vítima desta terrível enfermidade.

A simples notícia dada pelo médico, após a leitura dos exames realizados, é o suficiente para desestabilizar a pessoa. Alguns custam a acreditar, outros caem em profunda depressão, e ainda há aqueles, embora raros, que partem para a luta confiantes na vitória.

Pensando em muitos conhecidos ou amigos que estão passando por este vale profundo de dor, veio à mente o texto desta meditação, na esperança de que sejam ajudados em suas tristezas:

invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás”

O salmista apresenta um quadro bem nítido dado por Deus para confortar o coração daqueles que sofrem.

Primeiramente, a Ocasião: “O dia da angústia”. Para muitos é o dia da doença, um dia que jamais pensaram passar. Para outros, o dia que deixaram de seguir com seus passos, e agora precisam que outros os transportem. Entretanto, não há qualquer informação do que se refere o “dia da angústia”. Não menciona uma determinada doença, pois todas se encaixam perfeitamente no texto.

O dia da angústia pode ser atribuído, também, ao fracasso de um negócio, à pobreza extrema, à fome, à perda dos bens, e ainda da culpa pelos nossos pecados. Portanto, é de vasta e interminável aplicação ao termo.

Em segundo lugar temos a Ordem: “Invoca-me”.  Temos nesta ordem um duplo valor: falar com alguém sobre a nossa dor, abrir o nosso coração e derramar nossas lágrimas, num profundo desabafo. Mas há o outro lado: quem nos mandar invocar é Deus. Ele quer participar das nossas aflições e dores. Ele quer ouvir, melhor do que ninguém, a nossa fraca voz. “Invoca-me”. Ele não menciona quantas vezes, nem nos manda preparar  uma corrente de oração. Devemos, sim, invocá-lo, como um filho que chora nos braços da mãe, à espera que sua dor se vá. Quantos já se cansaram de “invocar” sem aparentes resultados, e se esquecem que a ordem é “invocar” sempre. De um jeito ou de outro a libertação virá, com certeza, e a bênção para o coração será imensa, pois quem nos manda invocar é Deus.

Em terceiro lugar vem a promessa: “Eu o livrarei”. Não “talvez”. Aqui não reside dúvida, tudo é positivo. Também não marca uma data específica. Nós, humanos, geralmente estabelecemos datas para nossos compromissos, lazer, férias etc. Deus não determina o tempo do livramento. Também a promessa de Deus não informa como virá a libertação, embora no nosso coração já tenhamos o seu perfil. É certo que Deus tenha algo melhor para nós. Entreguemo-nos a Ele que sabe perfeitamente “como” e “quando” dará sua libertação, restando-nos descansar na sua promessa: “eu o livrarei”.

Por último temos o plano. “Tu me glorificarás”. Quando Deus nos liberta ele o faz de tal forma que é glorificado  durante e depois do dia da angústia. Quando na nossa fraqueza pensávamos em estar abandonados, a libertação chegou e agora usamos os nossos lábios para glorificá-lo. Para todo o que crê, esse dia é cercado pelo cuidado, poder e graça de Deus: “Invoca-me”. “Eu te livrarei”. “Tu me glorificarás”.

Entretanto, para o que duvida do poder de Deus, o dia da angústia que virá mais cedo ou mais tarde,  pode ser um dia de cruel desespero. Portanto, o caminho é voltar-se para os braços de Jesus, confessar e arrepender-se dos seus pecados, e receber o seu perdão.

Encare, assim, o dia da angústia sem medo.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *