O OLHAR DE EVA

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios,
nem se detém no caminho dos pecadores,
nem se assenta na roda dos escarnecedores;
antes tem seu prazer na lei do Senhor,
e na sua lei medita de dia e noite.Salmos 1:1,2)

Este salmo é considerado o prefácio dos salmos, pois apresenta o conteúdo de todo o livro. É desejo do salmista ensinar-nos o caminho para a bem-aventurança e avisar-nos sobre a destruição certa dos pecadores. Este, portanto, é o assunto do primeiro salmo, que em certo sentido pode ser visto como o texto sobre o qual todos os salmos compõe um sermão divino.

Gostaria de meditar nos dois primeiros versículos acima transcritos, onde se destacam os três passos para não trilhar pelo caminho dos pecadores: “não anda”, “não se detém” e não se “assenta”. Quando se anda há uma movimentação, e indica muitas vezes alguém que busca algo; quando se detém ocorre uma parada, quer para descanso ou contemplação; e quando se assenta é para sentir-se confortado ou prazeroso. O salmista destaca que este é o caminho que leva à destruição e afasta o homem de Deus. Em outras palavras interrompe sua comunhão com Ele.

Este texto leva-me a pensar na comunhão do primeiro casal no Jardim do Édem, quando Deus lhes aparecia à tardinha (Gên.3:8). Era uma comunhão deliciosa até que foi interrompida pelo aparecimento da serpente, que levou Eva a desobedecer a ordem de Deus: “Respondeu a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais”.(Gen.3:2,3) E diante da sugestão da serpente, Eva teve seu olhar voltado para a árvore proibida: “Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal. Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu. (Gên.3:

Voltemos ao nosso salmo. Eva, ao olhar para a árvore proibida por Deus, “andou” por ela, apreciou sua folhagem e ficou encantada; depois, “deteve-se” diante da sua mais recente descoberta: a árvore. E por fim, “assentou-se” para confortavelmente comer seu fruto e compartilhá-lo com seu marido.

Assim, a tragédia ocorrida naquele jardim, resultando na quebra da comunhão com Deus, têm levado muitos a seguir por este caminho, “que ao homem parece direito, mas o fim dele conduz à morte” (Prov.14:12).

Entretanto, há esperança para aqueles que desejam os caminhos da vida: é meditar e ter prazer na lei do Senhor, ou em outras palavras, obedecer as instruções dadas por Deus registradas na sua Palavra, a Bíblia. Basta crer na pessoa de Jesus de todo o coração, e o Espírito Santo fará um milagre dentro de todos nós, despertando-nos para as melhores e benditas descobertas que são fáceis de serem obedecidas.

Só assim, os nossos olhares serão direcionados para Deus levando-nos a não “andar”, não nos “deter”, e muito menos não nos “assentarmos” no caminho dos pecadores, mas daqueles que foram perdoados pelo Senhor Jesus, e agora têm o seu prazer na sua Palavra.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *