“SIM” OU “NÃO”

 Mas todos à uma começaram a escusar-se.
Disse-lhe o primeiro: Comprei um campo, e preciso ir vê-lo;
rogo-te que me dês por escusado.
Outro disse: Comprei cinco juntas de bois,
e vou experimentá-los; rogo-te que me dês por escusado.
Ainda outro disse: Casei-me, e portanto não posso ir.(Lucas 14:18-20)

 

Muitas vezes enfrentamos situações que exigem nossa decisão – um firme e decisivo sim, ou não. E assim devemos arcar com suas consequências. Nesta semana o cenário político de nosso País passou por tal experiência, exigindo dos nossos representantes seu “sim” ou “não”.

Da mesma forma, em nosso dia-a-dia, inúmeras vezes nossas decisões devem ser tomadas, quer nas pequenas ou grandes tarefas. Desde ir a um determinado lugar, comprar alguma coisa, comer algum alimento, enfim, decisões cruciais.

Em todas as situações, podemos acertar ou errar, tirar lições e aprender delas, pois se aplicam a esta vida circunscrita a alguns anos. Como escreveu Moisés: “A duração da nossa vida é de setenta anos; e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, a medida deles é canseira e enfado; pois passa rapidamente, e nós voamos” (Salmo 90:10). Assim, como há decisões passageiras, há as eternas, que definem nossa existência após a morte. E destas devemos nos preocupar e focar nossos pensamentos.

No texto desta meditação Jesus nos apresenta três vidas, três decisões, três respostas, que merecem nossa consideração.

O primeiro comprou uma fazenda e precisava ir vê-la. “Comprei um campo, e preciso ir vê-lo; rogo-te que me dês por escusado”. Trocou um banquete onde tudo foi preparado com cuidado, uma mesa farta que nada lhe custou. Sua resposta, embora educada, foi um decisivo “não”.  Perdeu, portanto, uma excelente oportunidade, um raro banquete.

O segundo homem ia experimentar dez bois que já tinha comprado. Certamente ele não os teria comprado sem antes saber o seu valor, e, portanto, não havia urgência para testá-los, pois já eram seus. Foi um negócio grande, e deve ter ocupado tanto a sua mente que a “ceia” se tornou sem importância para ele. Esta atitude estava por trás de todas as desculpas, que na realidade eram recusas absolutas. (Com. Ritchie).

O terceiro homem casou-se e, portanto, não poderia comparecer. Uma desculpa sem qualquer base sólida, pois poderia levar sua mulher. Da mesma forma como os demais, perdeu um grande banquete.

Esta parábola de Jesus é um lindo quadro da salvação apresentada por Deus. Ele preparou tudo para esta grande festa, pois enviou seu único filho, nascido de uma virgem, para ser o Salvador dos homens, dando sua vida na cruz do calvário. A provisão desta salvação é deveras abundante, e sua oferta é totalmente gratuita.  Apenas devemos aceitar o seu convite e desfrutar de tantas iguarias.

Portanto, nossa decisão é fundamental, e nossa aceitação deverá ser “sim” , e assim será definida nossa eternidade.

Que tal avaliarmos nossas respostas? Não apenas as que se limitam a esta vida, negócios, política, assuntos triviais, mas respostas às necessidades de nossa alma, aquelas que apontam para a pessoa de Jesus, como escolhê-lo como Salvador, Amigo fiel e Redentor.

“Ainda há lugar”, foi a mensagem dos servos ao sair pelas ruas e bairros da cidade.

Meu “sim” como resposta a Cristo neste dia define minha vida na eternidade, e minha participação na festa é garantida pela Sua obra na cruz.

“Sim” ou “Não” – Que seja um forte e decisivo “Sim”.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *