VOZ DO POVO – VOZ DE DEUS? SERÁ?

Uma expressão que por certo muitos já ouviram, ou talvez até mesmo tenham compartilhado: “A voz do povo é a voz de Deus”, é bastante antiga, entretanto, não expressa a realidade. Ela é contrária a toda lógica e a toda a verdade espiritual.

O que seria do ser humano ser guiado pela voz do povo, seguir seus conselhos, tirar suas conclusões, orientar sua vida e a vida de seus filhos, simplesmente ouvindo essa voz. Por certo seria uma catástrofe. Quando Adão ouviu a voz da sua mulher já enganada pela serpente, e seguiu seu conselho, o desfecho foi o banimento da presença de Deus, e tudo que era maravilhoso naquele jardim, se tornou um caos.

E a partir deste infausto acontecimento, a voz do homem demonstrou-se fraca, sem vida e sem qualquer veracidade. E a história comprova que a voz humana jamais poderá ser a voz de Deus

O apóstolo Paulo descreve de forma magistral como o ser humano faz uso de sua língua, quando escreve sua carta aos Romanos:

A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios; a sua boca está cheia de maldição e amargura”.(Rom. 3:13,14)

A voz de Deus é inigualável porque sai dos lábios de um Deus santo. Quando Jesus esteve entre os homens sua voz tinha autoridade, no meio de uma sociedade totalmente corrompida. Certa ocasião o evangelista João relata um depoimento dos guardas encarregados de prendê-lo:

Os guardas, pois, foram ter com os principais dos sacerdotes e fariseus, e estes lhes perguntaram: Por que não o trouxestes? Responderam os guardas: Nunca homem algum falou assim como este homem”. (Ev.João 7:45,46)

Se através dos tempos, e mais do que nunca em nossos dias, os homens atentassem para a voz de Deus, ouvissem seus sábios conselhos, não teríamos tantas decepções, revoltas, amarguras, infelicidades. O que ocorre hoje é uma atenção redobrada à voz dos homens e muitos a obedecem como sendo a voz de Deus. Pode ser, sim, a voz de deus, e este com minúsculo, mas do Deus que está nos céus, por certo não é.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

 

 

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *