DOR

 

 Quando era pequeno brincava de “esconde-esconde”, e encolhido com a cabeça entre os joelhos, ficava atrás da porta. As outras crianças custavam a me achar. Era bem divertido, e quando me descobriam era uma verdadeira festa.

 Os anos chegaram e ainda brinco de “esconde-esconde”. Quero ficar atrás da porta, mas não consigo dobrar meus joelhos nem colocar minha cabeça entre as pernas. Os joelhos não dobram, a rigidez do ombro é uma dificuldade, e ainda, o espaço entre eu e a porta é pequeno.

 Não é mais uma brincadeira de criança, alegre, prazerosa, feliz. Ela se chama dor. Hoje quero me esconder, mas não posso. Se tentar, ela me encontra sem demora num piscar de olhos.

 A dor é bem ingrata e muitas vezes ganha a “brincadeira”, ora me assusta e derruba, ora abate e me deixa triste, sem forças e prostrado. Quero vê-la bem distante, mas ela sempre quer ficar por perto. Não me larga. É uma brincalhona de verdade.

 Creio que o rei Davi também conviveu com a dor. Há muitos salmos onde deixa clara tal circunstância, e em especial no salmo 41: 3 “O Senhor o assiste no leito da enfermidade; na doença tu lhe afofas a cama”.

 Por mais macio que sejam o travesseiro e o colchão, (plumas, palhas, penas), quando estou com dor se tornam materiais pesados como pedras ou chumbos. E Davi nos conta o seu segredo. Deus tem os seus recursos para transformar em maciez leitos de pedras e de chumbos, e com seu amor afofar a nossa cama. Sua presença é consoladora e animadora mesmo em meio à dor.

 Quantos se desesperam diante da dor, descreem da misericórdia de Deus, e o insultam com palavras insolentes, muitas vezes eliminando a própria vida. A fé em Deus nessa hora é a melhor saída e deve sobrepujar a dor, pois o poder das suas mãos se faz presente como uma rica promessa, sempre afofando o nosso leito.

 Já sei como espantar a minha dor. Quem vai brincar com ela sou eu, e escondido no “segredo de Deus”, duvido que ela me encontre para desanimar-me.

 Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *