“FAKE NEWS”

Nunca se usou tanto a expressão “fake news” como em nossos dias, especialmente em tempos de eleição, com o objetivo de punir os autores de “fake news”. A frase revela “noticia mentirosa”, “mentira nas redes sociais”, “invenção”, “falácia”, “calúnia”.

Assim, em nosso idioma, torna-se bem conhecida a frase inglesa.

A “fake news” não é nenhuma novidade. É velha demais. O primeiro a usá-la foi Satanás. Ele é um poliglota (rs). No Jardim do Édem apresentou sua “fake news” a um casal chamado Adão e Eva. Seus argumentos pareciam verdadeiros, que balançou a pobre mulher. Ela acreditou, duvidou da ordem dada por Deus, e com isto perdeu a comunhão com Ele. Uma horrenda “fake news”.  Por tal razão tornou-se o pai da mentira nas palavras do Senhor Jesus:

“… Quando ele (Satanás) profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.” (João 8 : 44)

A partir daí a mentira se expandiu, tomou diversas formas, entrou na vida das pessoas, passou a fazer parte do seu dia a dia, entrou no lar, na escola, na igreja, na família, como um rio caudaloso com muitos afluentes.

E o ser humano criou uma classificação para a mentira: social, infantil, inocente, boba, ingênua e daí uma lista infindável dos seus tipos diversos. Mesmo assim, não deixa de ser mentira.

E ainda há os que são viciados em mentiras. Um vício pior que o álcool, fumo e outras drogas, pois estas atacam o corpo, quando a mentira ataca, deforma e contamina o caráter.

A mentira se espalhou como um rastilho de pólvora e vem causando estragos por toda a parte. As redes sociais são um testemunho eloquente, onde crianças alteram suas idades para entrar nelas, com a aprovação dos pais; os adultos alteram informações como escolaridade, estado civil, e tantas outras. E daí abre-se um leque para outras inúmeras mentiras.

Assim escreveu Rui Barbosa em 1919:

“Mentira de tudo, em tudo e por tudo; 
Mentira na terra, no ar, no céu”.
Mentira nos protestos. 
Mentira nas promessas. 
Mentira nos progressos.
Mentira nos projetos. 
Mentira nas reformas.
Mentira nas convicções. 
Mentira nas soluções.
Mentira nos homens, nos atos e nas coisas.
Mentira no rosto, na voz, na postura, no gesto, na palavra, na escrita.
Mentira nos partidos, nas coligações e nos blocos. (…) 
Mentira nas instituições, mentira nas eleições.
Mentira nas apurações. Mentira nas mensagens. Mentira nos relatórios.
Mentira nos inquéritos. Mentira nos concursos.
Mentira nas embaixadas. Mentira nas candidaturas.
Mentira nas garantias.
Mentira nas responsabilidades. 
Mentira nos desmentidos.
A mentira geral. 
O monopólio da mentira”.

A conivência dos pais é algo triste e lamentável, pois tira-lhes a força para uma correção efetiva sobre os filhos. A criança poderá mentir desbragadamente, e ao ser arguida por seus pais, lançar-lhes em rosto sua aprovação em mentir sua idade nas redes sociais.

Certa vez li um relato vivido por um pastor evangélico que mentiu na presença dos seus filhos, ao ser procurado por um vizinho que alegava seu o cachorro em seu poder. Este, para alegrar seus filhos, insistiu que o cão sempre fora seu, apesar das evidências de ser mentira. E este pastor, mais tarde, afirmou: “por ter mentido na presença de meus filhos, ganhei um cachorro e os perdi para Cristo”.

A mentira já destruiu um casal no jardim do Éden, e jamais deixou de exercer sua pérfida influência através dos anos.

Não permita que ela entre em seu lar, estrague por completo seu caráter, e prejudique seus filhos. Basta o estrago que ela vem produzindo em nossa sociedade.

Deus abomina a mentira, e na Cidade Celestial onde ele receberá seus filhos, os que praticam a mentira serão barrados:

“Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.(Apocalipse 22 : 15)

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *