MUROS E MURALHAS

Muros e muralhas sempre foram apreciados pelos povos da antiguidade, objetivando  sua proteção. As cidades eram cercadas por muros, e suas portas eram bem seguras. Uma delas, famosa nas Escrituras Sagradas, era a que protegia Jericó e que foi destruída pelo poder de Deus.

Outra muralha bem conhecida é a da China, que foi considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno, com 21.196 km e 7 metros de altura.

Ainda está bem gravado na lembrança o muro de Berlim, que separou famílias, e trouxe muita tensão e tristeza aos seus moradores. Em fins de 1989 foi demolido e possibilitou o ingresso livremente de pessoas que puderam rever familiares outrora separados.

Atualmente muito se fala na construção de um muro na divisa dos Estados Unidos e  México, impedindo a entrada de pessoas naquele país, ilegalmente. Tais atitudes somente acarretam revoltas.

Pensando nestes muros e muralhas, veio ao meu pensamento outro muro que a maldade humana construiu, separando-nos de Deus, por causa de nossos pecados. Um muro invisível, mas que produzia efeitos terríveis no coração das pessoas. Entretanto, Deus na sua suprema misericórdia, derrubou este muro, e a morte de Jesus  trouxe  paz e nos uniu a Ele.  E o melhor de tudo, nos reconciliou com Deus.

Hoje não há mais desculpas para nos aproximarmos de Deus, pois não há muros nem muralhas que nos impedem de chegarmos até Ele. Ao invés de tais construções, temos um “novo e vivo caminho” para nos achegarmos a Deus, aberto na cruz do calvário.

Sem dúvida ficamos contentes com as demolições de muros feitos pelos governantes, e torcemos para que outros não sejam construídos, mas a alegria maior é saber que o braço forte de nosso Deus derrubou um muro para nunca mais ser levantado, e com isto receber o pecador que confia em seu filho Jesus Cristo, e abraçá-lo com todo amor.

Dê este passo de fé e comece a andar por este caminho que conduz ao céu, pois Jesus diz: “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.”(João 14:6)

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *