AINDA DUVIDA DO PODER DE JESUS?

“Quando Simão Pedro viu isso,
prostrou-se aos pés de Jesus e disse:
“Afasta-te de mim, Senhor,
porque sou um homem pecador”
(Lucas 5: 4-11)

Quem não se sente maravilhado ao ler o relato desta pesca bastante conhecida por aqueles que amam a palavra de Deus, a Bíblia Sagrada? Por certo você é uma delas. E assim, com a ajuda de nosso Deus desejo extrair algumas verdades que foram úteis para mim, e vou repassá-las para todos, a fim de que sejam abençoados como eu.

Em todos os pormenores deste milagre vemos a grandeza de Jesus, que sem quaisquer conhecimentos humanos sobre pescaria, conhecia as águas profundadas do mar, pois foi ele quem as criou.

Neste dia Jesus chegou bem cedo e começou a pregar usando o barco de Simão de onde passou a ministrar a multidão. Ao terminar, pediu-lhe que lançasse sua rede em águas profundas. E sua resposta foi: “Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pegamos nada”.

Quanta frustração e cansaço há na sua voz. Uma noite infrutífera, pois sem a presença de Jesus, no mar bravio, com suas ondas agitadas, impossível qualquer sucesso.

Em seguida, entretanto, emendou sua resposta: “Mas porque és tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes”. Que palavras repletas de sabedoria, pois sabia quem era Jesus. Era seu Deus, aquele que tinha as palavras de vida eterna, pois em outra ocasião respondeu a Jesus: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus”. João 6:68,69).

Quantas vezes em nossas tentativas frustradas deixamos de crer nas palavras de Jesus. “Remamos” uma noite inteira na escuridão da nossa alma e só pescamos dor e tristezas. Precisamos agir como Pedro: “vou lançar as redes”. Não expôs seus conhecimentos de pescaria, o que provavelmente fazia desde seus primeiros dias. E o sucesso foi surpreendente.

Quantos hoje estão expondo seus conhecimentos, sua religiosidade e suas  táticas,   para saírem de crises, mas nada conseguem. Deixam de crer naquilo que Jesus conhece profundamente: o coração do homem, de onde procedem todos os males.

Por fim, a perplexidade. “Pois ele (Pedro) e seus companheiros estavam perplexos com a pesca que haviam feito, como também Tiago e João, os filhos de Zebedeu, sócios de Simão”.

Então, que tal ficarmos também perplexos com os resultados do socorro de Jesus, e obedecer as suas instruções que só produzem fartura e bênçãos?

Que tal agora lançarmo-nos aos seus pés e reconhecer que somos pecadores?

Só assim, teremos uma pescaria abençoada.

“Sobre tua palavra lançarei as redes”

Que assim seja

Orlando Arraz Maz

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *