ALEGRIA QUE NÃO VIRA FUMAÇA

 

É bem fácil descobrir quando uma pessoa está alegre, pois seu sorriso a denuncia, e se torna difícil encobri-lo. A alegria toma posse das pessoas por algum tempo, dias ou horas muitas vezes. E depois, passada a euforia ela se vai mansamente. Outros dias serão diferentes, menos alegrias, mais tristezas, algumas lágrimas, até chegar novo período de explosão de alegria.
Estamos em época de uma alegria passageira como as demais, conhecida como alegria carnavalesca. Começa nas preparações das fantasias, segue pelos desfiles e culmina com a vitória da escola. Aí vem uma explosão de alegria, manifestada em sorrisos e muitas vezes em lágrimas. Como as demais, é uma alegria  que se esvai como fumaça no decorrer dos dias. Assim é a alegria do carnaval.   Lota os salões, as ruas e as avenidas. Depois, os salões ficam vazios e as ruas desertas, só restando  sujeira deixada ao redor. E cada um terá que enfrentar a solidão do seu quarto, talvez em desespero ou em lágrimas.
A pergunta que não cala é a seguinte: Vale a pena? Que benefício ganho? Que consolo me dá nas horas tristes? Onde posso me agarrar? Assim são todas as alegrias que nascem e morrem com a mesma velocidade dos relâmpagos que riscam os céus.
Há vários estados de alegria e estes permanentes expostos na Palavra de Deus. Não desaparecem, não são passageiros. A cada dia que desponta, esta alegria está firme como “âncora da alma” nas palavras do escritor da carta aos Hebreus (6:19).
Assim, temos a alegria de ter o nome registrado no Livro da Vida: “Contudo, não vos alegreis porque se vos submetem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus”. (Lucas 10:20).
Alegria na perseguição em lembrar que nossos antepassados foram perseguidos, ou a perseguição velada que ocorre em nossos dias e em muitos lugares: “Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós”(Mateus 5:12).
“Alegrai-vos na esperança”. Tais palavras foram escritas para um grupo de cristãos perseguidos pelos imperadores romanos. Muitos que depositaram suas esperanças naqueles governantes, ao se converterem ao cristianismo   passaram a ser perseguidos, e agora podiam ter alegria em uma esperança que se fundamenta em Deus – no próprio Deus. Daí várias alusões à alegria  na carta de Paulo aos Romanos, entre elas: “alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram”(Rom.12:15)
Desejo a alegria que não morre numa “quarta-feira”, mas sim a alegria por ser salvo , a qual jamais acaba; alegria por ter meu nome escrito no Livro da Vida, e por aguardar a volta de Cristo a qualquer momento, quando minha alegria será totalmente completa.
Que assim seja
©Orlando Arraz Maz

 

 

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *