HOMENS FRACOS, MAS REVESTIDOS DE PODER

Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados, 
Poucos eram sábios segundo os padrões humanos;
poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento.
Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios,
e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes.
Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas
e as que nada são, para reduzir a nada as que são,
para que ninguém se vanglorie diante dele.(I Coríntios 1:26-29)

Quando medito nas palavras do versículo acima, minha fé nas Escrituras fica mais forte, e não tenho dúvidas que todo o seu conteúdo foi e é inspirado por Deus.

Os discípulos de Cristo são verdadeiras provas, quando olhamos para suas vidas. Não eram pessoas sábias, segundo os padrões humanos, nem poderosas, e poucas de nobre nascimento.

Dentre eles, uns eram pescadores, Mateus coletor de impostos, serviço odiado pelos judeus, Simão, o Zelote, partidário de um grupo radical que desejava banir a força de Roma sobre os judeus.  Além do mais, vinham de uma cidade de pouca expressão.

Tais homens foram escolhidos por Cristo e se destacaram no grupo apostólico. Jesus, que já possuía uma multidão de seguidores, não se preocupou em escolher homens de destaque naquela sociedade: sacerdotes de renome ou escribas versados nas Escrituras. Escolheu  homens comuns e desprezados por suas origens. E por um período aproximado de dezoito meses, os instruiu da melhor forma possível. Foi paciente com todos eles, tolerou comportamentos explosivos, dificuldades no aprendizado, impulsividade de Pedro e sua negação, traição de Judas, e por fim, a debandada de todos por ocasião de sua prisão. Jesus, foi um verdadeiro Mestre, que os amou até o fim, inclusive Judas.

Dois mil anos se passaram e a influência dos discípulos ainda é notada em todos os lugares deste mundo. No limiar da igreja, os Atos dos Apóstolos, livro do médico Lucas, informa: “Vendo a coragem de Pedro e de João, e percebendo que eram homens comuns e sem instrução, ficaram admirados e reconheceram que eles haviam estado com Jesus” (Atos 4:13). Os evangelhos narram suas vidas, e servem de inspiração, abençoando com a salvação de muitos até nossos dias.

Então, cumpre-se em todos os aspectos o versículo de nossa meditação: Deus usa coisas loucas para envergonhar os sábios; coisas fracas para envergonhar os fortes; coisas insignificantes do mundo, as desprezadas, e as que nada são, para reduzir a nada as que são. E o texto conclui: “Para que ninguém se vanglorie diante dele”.

A obra majestosa dos discípulos desde aqueles primeiros dias, até hoje tem produzido resultado que só a eternidade revelará. Os alicerces que eles lançaram estão inabaláveis, pois Jesus é a pedra angular. Assim lemos na carta aos Efésios: “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor”. Efésios 2:20,21)

Que esta singela meditação possa mudar o pensamento de muitos, pois o poder do Evangelho não nasce de homens sábios ou poderosos, mas de fracos e incapazes que nas mãos de Deus se tornam verdadeiros gigantes. Eu e você podemos ser um deles.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *