O MANUAL DE DEUS – VOCÊ JÁ POSSUI?

 “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas
a vida eterna; e são elas que dão testemunho de mim;
 mas não quereis vir a mim para terdes vida!”

João 5:39

Comemora-se neste domingo o “Dia da Bíblia”, o livro mais conhecido no mundo e ao mesmo tempo pouco lido. A palavra “Bíblia” vem do grego “biblion” que significa “livro” ou “rolo”. Ao lermos suas passagens encontramos a expressão “Escrituras”, usada muitas vezes por Jesus.

As Escrituras revelam o amor de Deus aos homens, que deixou suas preciosas instruções para que o amássemos cada vez mais, e evitássemos muitos desacertos e quedas.

A figura de um manual de instruções me vem à mente. O fabricante que produziu determinado bem coloca à nossa disposição o melhor meio de usá-lo. Sua preocupação é grande, por exemplo, tratando-se de um veículo. Quer evitar riscos para seu proprietário e para terceiros que caminham pelas ruas, avenidas, rodovias, etc.

O Manual de Instruções de Deus tem sido uma bênção inigualável para os que procuram socorro em suas páginas. Há instruções para a família em seus relacionamentos, ensina como cuidar dos filhos, dá orientação certa aos jovens e traz conforto às pessoas idosas, enfermas, tristes e abatidas. O manual, a Bíblia, tem a assinatura de Deus, e não contém erros em suas páginas.

Há pouco tempo em certa cidade foi erguido um monumento à Bíblia, com textos gravados em sua estrutura, o que levou um grupo de ateus a ingressarem com uma ação, requerendo-se ao Juiz que ordenasse a retirada de  tais versículos, o que lamentavelmente foi deferido pelo Tribunal.

O que, entretanto, tais ateus esqueceram, é que aqueles que amam as Escrituras têm seus textos gravados no coração de onde jamais serão apagados. Elas são   lembradas por presos em testemunho de sua fé, nos cárceres, em leitos de morte, e por aqueles perseguidos nos mais remotos lugares.

Devemos, sim, amar este livro sem igual, pois é um rico manancial que nos acompanha até à eternidade.

Proclamá-lo com todas as nossas forças, assim como o salmista:

Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti.

Bendito és tu, ó Senhor; ensina-me os teus estatutos.

Com os meus lábios declaro todas as ordenanças da tua boca.

Regozijo-me no caminho dos teus testemunhos, tanto como em todas as riquezas. Em teus preceitos medito, e observo os teus caminhos. Deleitar-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra. (Salmos 119:11 a 16)

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *