O REI SALOMÃO E SEU DECLÍNIO

O sucesso do rei Salomão é algo extraordinário, pois qualquer pessoa gostaria de estar em seu lugar. Ainda jovem teve uma revelação da parte de Deus, onde abriu seu coração expondo suas dificuldades em governar um povo tão numeroso. E nessa sublime visão, com humildade, pediu “um coração cheio de discernimento para governar”, o que agradou sobremaneira ao Senhor. Mas Deus foi mais além demonstrando sua graça para com ele. Deu-lhe um coração sábio, riquezas e fama, e uma vida prolongada, sob as condições de obediência total. (I Reis 3:12-14)

Deus cumpriu suas palavras, pois de fato Salomão tornou-se mais sábio do que qualquer outro homem,  e sua fama espalhou-se por todas as nações em redor. Foi autor de três mil provérbios e mil e cinco cânticos, e todas as nações vinham ouvir sua sabedoria. (I Reis 4:31-34)

Mas chegou um dia que Salomão abriu as portas do seu palácio e deixou entrar a rainha de Sabá, a qual passou a conhecer sua grandiosidade. E abriu seu coração para ela.

A partir daí, lamentavelmente há um declínio acentuado em sua vida, passando a desobedecer as ordens de Deus e sendo por ele reprovado. E uma nota triste aparece em sua biografia: “não seguiu completamente o Senhor” (I Reis 11:2-6).

Quantas lições nos trazem sua vida e que servem para abrir os nossos olhos.

Há muitos que iniciaram sua vida com Cristo de maneira esplêndida. Não receberam uma visão como Salomão, mas pela fé contemplaram riquezas maiores: a graça de Jesus, sua compaixão,  o perdão de todos os seus pecados e a garantia de vida eterna. Viram um caminho novo e vivo que foi aberto na cruz, e que seguia diretamente para os céus. Os tesouros de Cristo, e ele mesmo que é o tesouro encontrado pelo homem, encheram todos os compartimentos de sua vida, e ele passou a possuir a sabedoria que vem de Deus.

Entretanto, com o decorrer do tempo, em muitos houve um declínio em sua fé. A porta do seu coração foi escancarada para estranhos alheios à sua fé, deixou-se seduzir por seus atrativos e distanciou-se do caminho da cruz. E a alegria da salvação desapareceu, entristeceu o Espírito Santo, e sua vida espiritual passou a ser um peso.

Em meio a esse estado de distanciamento há esperança para todos aqueles que assim se encontram: afastar-se das ofertas pecaminosas que este mundo oferece e voltar para os braços de Cristo. Não permitir que outros entrem nos recônditos do seu coração onde se encontram os tesouros de Cristo, e venham a provocar esfriamento total.

Finalmente, há um que foi superior a Salomão, Jesus Cristo (Mat.12:42), e que nunca falhou e nem conheceu pecado, e que está pronto para receber de volta todo aquele que um dia se distanciou dos seus caminhos. Atentem para o seu convite: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo”(Apoc. 3:20)

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *