ÓRFÃOS, JAMAIS.

“Não os deixarei órfãos: voltarei para vocês.
Dentro de pouco tempo o mundo já não me verá mais;
vocês, porém, me verão.
Porque eu vivo, vocês também viverão”. (João 14:18,19)

 A orfandade de um pai ou de uma mãe é bastante triste, pois os laços afetivos são totalmente cortados, e quase sempre a estrutura familiar se desmorona. Quantas vezes deparamos situações extremamente tristes, com notícias de pais que morreram deixando filhos ainda pequenos.

O texto de nossa meditação nos dá um panorama maravilhoso de Jesus, preparando seus discípulos para a separação. Jesus sabia perfeitamente que sentiriam sua falta, pois não mais teriam aquela companhia de todos os dias, ora no monte em oração com Ele, no barco atravessando aquelas águas, enfrentando a fúria da tempestade, no deserto alimentando a multidão, e tantas outras experiências inesquecíveis.

Então, Jesus transmite sua mensagem de despedida: “Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês”.  Começou apaziguando seus corações, dizendo-lhes que na casa de seu Pai havia muitos aposentos, e que quando lá chegasse, prepararia um lugar para cada um deles. Agora os anima com esta promessa radiante. “Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês”. Havia uma esperança consoladora, que Ele voltaria para eles.

Nas separações causadoras de orfandade não há a mesma esperança, pois ninguém voltará para fazer companhia aos órfãos. Impossível. O ser humano, conforme determinação de Deus, morre uma única vez e depois disso enfrenta o juízo ( Hebreus 9:27) . Mas Jesus bem poderia fazer tal promessa, pois Ele é o autor da vida, o Deus de carne e osso.

Sua promessa foi cumprida no dia de Pentecostes, quando Ele voltou na pessoa do Espírito Santo, que uma vez acolhido em seus corações, lá ficou e ficará para sempre. Um dia voltará literalmente aos seus discípulos, e a todos quantos creram nele como Salvador, para leva-los à morada celestial.

Entretanto, Jesus deixa bem claro que o mundo (os que não creem nele) não mais o verá, mas seus discípulos, sim, pois ele vive (fato de sua ressurreição para nunca mais morrer), e nesta certeza seus discípulos viveriam também.

Como alegra os corações de seus verdadeiros filhos, seus discípulos, ainda nos dias de hoje. Além de desfrutarmos sua presença na pessoa do Espírito Santo, um dia o veremos face a face na eternidade. Não somos órfãos, sem direção, desolados, mas confiantes, pois nosso Redentor vive e nós viveremos, também, com Ele por toda a eternidade.

Então, você tem esta gloriosa esperança? Creia nele e o receba como seu Senhor e Salvador, pois assim sua presença em seu coração, na pessoa do Espírito Santo, dará outro sentido à sua vida.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *