“QUE HOMEM É ESTE”?

E, entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram.
E eis que se levantou no mar tão grande tempestade
que o barco era coberto pelas ondas; ele, porém, estava dormindo.
Os discípulos, pois, aproximando-se, o despertaram, dizendo:
Salva-nos, Senhor, que estamos perecendo.
Ele lhes respondeu: Por que temeis, homens de pouca fé?
Então, levantando-se repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se grande bonança.
E aqueles homens se maravilharam, dizendo:
Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?
Ev. de Mateus 8:23 a 27)

“Que homem é este?” – A pergunta dos discípulos maravilhados tem sido feita através dos anos por homens e mulheres, tentando descobrir quem é Jesus. Milhares de livros foram escritos, debates intensos realizados, pesquisas sem conta, sugestões as mais diversas,  tentando achar   resposta, mas nada conseguiram. A frustração foi total, e não alcançaram a paz ao coração, porque deixaram de pesquisar a origem deste homem. Partiram do seu nascimento em Belém, mas se esqueceram de que Ele sempre existiu. O evangelista João abre a cortina da eternidade e nos revela que “No princípio era o verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez”. (João 1:1 a 3).

E o evangelista prossegue: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória como a glória do Unigênito do Pai” (João 1: 14).

Portanto, facilmente podemos descobrir que “este homem é Deus”, que se fez carne e nasceu de uma virgem, mas jamais deixou de ser Deus. Era, sim, aquele que no barco em vias de soçobrar, com sua voz cessou a fúria da tempestade e o mar revoltoso. Quão bom seria se hoje as pessoas assim conhecessem a Jesus, e depositassem nele sua confiança, pois seu poder em nada mudou, pois “Ele (Jesus Cristo) é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Hebreus 13:8) Ainda hoje acalma a tempestade do coração e estabelece sua paz, pois para isto veio a este mundo.

Assim, enquanto o ser humano não mudar seu coração, jamais alcançará a bênção de sua salvação. Sem perda de tempo deve admitir que “o homem que dormia no barco”, é o Deus encarnado (não reencarnado), que morreu em uma cruz e ressuscitou no terceiro dia, e como Homem está no céu.

“Que homem é este?” – É o Deus que deixou a glória do céu, “os palácios de marfim” (Salmos 45:8) e desceu a este mundo miserável e perdido, para restaurar e salvar o homem.

Por último, em quem você crê?  Naquele que nasceu como criança em Belém e se tornou homem ou no Deus de Moisés, que assim se referiu a Jesus profeticamente: “Antes de nascerem  os montes e de criares a terra e o mundo, de eternidade a eternidade tu és Deus” (Salmos 90: 2).

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *