QUEM OCUPA SEU CORAÇÃO?

E ele declarou: “Mestre, a tudo isso tenho obedecido
desde a minha adolescência”.
Jesus olhou para ele e o amou.
“Falta-lhe uma coisa”, disse ele.
“Vá, venda tudo o que você possui e dê
o dinheiro aos pobres, e você terá
um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me”.
(Marcos 10:20-21)

O Novo Testamento registra vários encontros de Jesus com  pessoas, onde muitas delas saíram curadas de suas doenças, e outras recebendo paz, curadas da alma. Em nenhum desses relatos lemos que saíram entristecidas. Zaqueu, por exemplo, foi um dos que recebeu a Jesus com alegria. (Lucas 19:7).

Entretanto, das muitas pessoas abençoadas por Jesus, pouco sabemos o que aconteceu depois com elas, mas deduzimos que a alegria foi uma constante em suas vidas.

O homem que procurou a Jesus, conhecido nos evangelhos como um jovem, ou um príncipe, ou um homem importante, e muito rico, estava preocupado com sua existência após a morte, e desejava saber o que deveria fazer para herdar a vida eterna. Ao ouvir a resposta de Jesus saiu triste de sua presença, pois no seu coração já existia um deus que dominava sua vida. Era o deus de suas riquezas.

Havia abundância de bens em sua casa, mas miséria na sua alma. Daí o fato de sair entristecido, frustrado com o que Jesus lhe falou.

O evangelho de Marcos relata que  Jesus o amou. “E Jesus, olhando para ele, o amou” (Marcos 10:21). Jesus leu o drama de sua alma, pois somente ele conhece todos os cantinhos do coração. E o do jovem, outro senhor o ocupava.

E Jesus, então, disse aos seus discípulos: “Como é difícil aos ricos entrar no Reino de Deus” Difícil, mas não impossível, pois para Deus tudo é possível. (Mat. 19:26)

Ao longo da história muitos ricos foram salvos porque confessaram seus pecados, e receberam a Cristo como Salvador e Senhor de suas vidas. Não ficaram na miséria, mas seus recursos foram utilizados em favor de muitos.

O coração do moço rico permaneceu lacrado, e abatido e triste se afastou de Jesus. As muralhas de suas riquezas não foram derrubadas, e ele entrou para o cenário bíblico como uma das pessoas que se retiraram entristecidas da presença de Jesus.

E você, que lê este texto, já abriu seu coração para Jesus?  Ou ele permanece fechado para abrigar “riquezas”, e Jesus não pode entrar?

O amor que Cristo sentiu pelo moço rico é o mesmo ainda hoje. É imutável. Convide-o para entrar e fazer sua morada, e só assim a alegria de Cristo em você será para sempre.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *