TERMÔMETRO

Termômetro

 

 

 

“e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”.

Mateus 24:12

Usamos o termômetro para medir a temperatura do corpo, e é ele quem vai sinalizar o grau de nossa enfermidade. Aferimos a febre de nossas crianças, e qualquer alteração é suficiente para nos assustar. Trata-se de um invento tão maravilhoso quanto útil e bastante  utilizado por todos.

Já imaginaram se existisse um termômetro para acusar o grau do nosso amor para com nossos irmãos?  Qualquer sinal por menor que fosse, colocaríamos o termômetro no peito, sobre o coração, e leríamos: amor muito fraco, fraquinho, etc. Será que ficaríamos assustados ou preocupados com sua leitura, e procuraríamos imediatamente o melhor remédio?

A falta de amor ou um amor inexpressivo tem caracterizado as igrejas nestes dias tão agitados. As pessoas estão muito ocupadas em cuidar de suas vidas, buscar seus interesses, e não cultivam o amor ensinado por Jesus e que deveria ser a marca fundamental de todo o cristão. Jesus nos ensinou que “por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”. Embora seja uma profecia para tempos futuros, não restam dúvidas que atualmente já existe esfriamento do amor entre os irmãos, falta de sensibilidade, de uma palavra de ternura, de um abraço apertado, e por aí vai uma série de manifestações que há muito já não existem.

Não há termômetro para essa finalidade, mas Deus já providenciou um que não falha, e que se chama “termômetro da Palavra de Deus”, que é colocado diante dos olhos das pessoas. É através dele que aferimos o grau do nosso amor, sempre observando como Jesus nos amou e como devemos amar os nossos irmãos. Lamentavelmente esse termômetro é desprezado, muitos se afastam dele, e consequentemente, o amor se esfria e o desânimo prevalece no seio de muitas igrejas.

Tal amor quase não se vê porque muitos abandonaram o amor dos primeiros dias da conversão. O afastamento da Palavra de Deus se tornou tão acentuado, e assim, deixou há muito de ser um termômetro confiável.

Que tal lançarmos mão com toda urgência deste termômetro abençoado, e de joelhos clamar ao Salvador que nos encha do seu amor, que o faça transbordar em nosso coração, e alcance os que dele tanto necessitam.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *