UM RARO PERFUME

 

Então Maria pegou um frasco de perfume caro
feito de essência de óleo aromático,
ungiu com ele os pés de Jesus
e os enxugou com os cabelos.
A casa se encheu com a fragrância do perfume. (João 12:3)

 

Os evangelistas nos apresentam a vida de Jesus como uma foto vista de diversos ângulos. Cada um deles focalizou a sua beleza mostrando detalhes diferentes.

 No relato desta nossa meditação, Mateus e Marcos observam que a mulher ungiu a cabeça de Jesus; João, que ungiu seus pés e que a casa se encheu de perfume, e que era Maria, irmã de Marta e Lázaro, cujo unguento guardara para sua sepultura, e por fim, que Judas reclamou do desperdício.

Mateus e Marcos falam que o jantar foi oferecido por Simão, um leproso, por certo curado por Jesus. E João, relata que nesta ocasião memorável, se encontravam Maria, Marta e Lázaro.

Juntando todos esses ângulos temos uma foto perfeita que nos permite contemplar as belezas do Amado Salvador.

Uma família grata ao Senhor pela bênção da ressurreição de seu irmão Lázaro encontra-se em casa de Simão, que oferece uma ceia para o Senhor Jesus, com Marta servindo aos presentes e Maria adorando, sempre contemplativa diante daquele que um dia se referiu a ela como ter “escolhido a boa parte que não lhe seria tirada” – a de estar aos seus pés aprendendo dele (Lucas 10:42). Quanta alegria não teriam os participantes desta ceia: Simão curado de sua lepra, Lázaro cheio de vida à mesa, Marta, como de costume, servindo e Maria adorando. Somente Judas não apreciou nada, pois seu coração estava distante de Jesus.

Várias lições podemos extrair desta meditação, dentre elas nossa gratidão ao Senhor por todas as suas bênçãos, especialmente pela nova vida que alcançamos em Cristo. O apóstolo Paulo assim escreve: “Mas Deus é tão rico em misericórdia e nos amou tanto que, embora estivéssemos mortos por causa de nossos pecados, ele nos deu vida juntamente com Cristo. É pela graça que vocês são salvos” (Ef.2:4,5 – NVT). Hoje podemos ter plena comunhão com Cristo, pois as amarras do pecado foram desatadas e nos tornamos libertos, tal qual Lázaro ressuscitado.

Entretanto, no meio daquela ceia, apareceu Maria com um frasco de perfume caro feito de essência de óleo aromático, que ungiu com ele os pés de Jesus e os enxugou com os cabelos. A casa se encheu com a fragrância do perfume”. (João 12:3). Maria não fez questão do alto preço do unguento, avaliado por Judas em trezentas moedas de prata, exatamente dez por cento do valor que venderia o Senhor Jesus.

Maria, mais uma vez foi elogiada por Jesus, pois seu ato fora feito como preparação para o seu sepultamento. (João 12:7). Não esperou a morte de Jesus para embalsamar seu corpo, mas o fez pouco antes. E Jesus conclui: “Eu lhes garanto: onde quer que as boas novas sejam anunciadas pelo mundo, o que esta mulher fez será contado, e dela se lembrarão”. (Mat. 26:13)

Grandiosa verdade! A pequena aldeia de Betânia entrou para a história, enquanto cidades famosas, hoje, não são sequer lembradas, e o feito de sua moradora é recordado após dois mil anos.

Simão, outrora leproso, nos ensina a abrir a porta do nosso coração e permitir Cristo comandá-lo; Lázaro nos leva a recordar a nova vida que temos em Cristo; Marta, sua prontidão em servir, e Maria sua devoção a Cristo.

Que nossas vidas que por Ele foram compradas por alto preço, sejam verdadeiros frascos de alabastros totalmente quebrados aos seus pés em constante adoração, cujo perfume venha dar alegria a Cristo, fragrância à nossa vida e inebriar aos que nos cercam.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©