ENFRENTANDO O ANO NOVO

Socorro

“Então disse o SENHOR a Moisés: Por que clamas a mim?
Dize aos filhos de Israel que marchem.
E tu, levanta a tua vara, e estende a tua mão sobre o mar,
e fende-o, para que os filhos de Israel passem
pelo meio do mar em seco”.(Êxodo 14:14-16)

 

Nestes primeiros dias do ano ainda respiramos ares de festa e de muita alegria. As mensagens recebidas de amigos e familiares têm trazido ânimo, e indicaram o grau de nossa amizade.

Entretanto, a imagem do desconhecido permanece latente em cada um de nós, e muitas perguntas para as quais não temos respostas vêm à mente, como: será que chegarei ao final do ano, aquele projeto que arquitetei será concluído, todas as pessoas que amo estarão vivas?  E assim, uma infinidade de questionamentos.

Quase todos os dias do ano iniciante estão diante de nós.  Vivemos como os israelitas recém-resgatados do Egito, os quais desconheciam os planos de Deus. Apenas veem as águas profundas e geladas e nenhuma perspectiva de vida. O desespero é o que resta em cada coração e a morte se apresenta como uma saída.

 Mas a ordem para o povo é marchar, e para Moisés é fazer uso da vara de Deus. Confiar mais uma vez, pois a promessa dada por Deus é que faria maravilhas no meio deles:

“Então disse: Eis que eu faço uma aliança; farei diante de todo o teu povo maravilhas que nunca foram feitas em toda a terra, nem em nação alguma” (Êxodo 34:10)

Sem dúvida as apreensões são normais quanto ao futuro, e sendo assim, devemos fixar nosso  olhar para Deus que deseja nos conduzir em segurança pelo mar bravio dos dias deste ano, realizando  perfeitas maravilhas na nossa vida. Os israelitas atravessaram o mar como em terra seca: “Mas os israelitas atravessaram o mar pisando em terra seca, tendo uma parede de água à direita e outra à esquerda”. (Êxodo 14:29).Depois desta retumbante vitória, uma vez acampados do outro lado do mar, cantaram um hino a Deus, expressando toda a alegria dos seus corações:  

“O Senhor é a minha força, e o meu cântico; ele se tem tornado a minha salvação; é ele o meu Deus, portanto o louvarei; é o Deus de meu pai, por isso o exaltarei”. (Êxodo 15:2)

Confiemos em Deus frente ao desconhecido, e não permitamos que o medo cresça dentro de nós e cegue os nossos olhos para não vermos as suas maravilhas.

Mesmo que as adversidades venham, que as lágrimas aflorem nossos olhos, o mar que Deus abriu jamais se fechará sobre nós, pois seu amor dura para sempre, e como refúgio seguro é infalível:  “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.  Pelo que não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se projetem para o meio dos mares; ainda que as águas rujam e espumem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza”.(Salmos 46:1-3).

Então, 2016 sem medo.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Orlando Arraz Maz

Orlando Arraz Maz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »