A PACIÊNCIA DE CRISTO

 

Paciência de Cristo

 

“Ora, o Senhor encaminhe os vossos corações no amor de Deus e na paciência de Cristo”. (II Tes. 3;5)

 

 

Ao ler este versículo numa dessas manhãs, fiquei com ele o dia todo. Parece que ele colou em mim. Onde ia ou qualquer coisa que fazia lá estava ele. Logicamente, achei muito bom, pois dele extrai alguns pensamentos que desejo compartilhar com meus amigos.

Atravessamos dias difíceis e quase pouco ou nada fazemos para uma meditação ou reflexão sadias. A leitura de livros tornou-se escassa, e da Bíblia só um ou outro salmo e nada mais. Em compensação o tempo na televisão aumentou consideravelmente.

Mas o que tem tudo isso com o texto bíblico, companheiro inseparável da minha mente?

Pois bem. Há tanto envolvimento em nosso dia a dia, que quase sempre estamos perdendo a paciência. Qualquer pedrinha vira um pedregulho. Uma simples pergunta pode ter uma resposta áspera. Esquecemos prontamente das boas maneiras, e tudo porque não “paramos no acostamento” das nossas atividades, e preferimos correr a toda velocidade.

Que tal, então, puxar o freio de mão, esticar as pernas e meditar no amor de Deus e na paciência de Cristo?

Vejo neste versículo a Trindade exposta por Paulo em toda a sua formosura. O Senhor (o Espírito Santo) encaminhe os vossos corações no amor de Deus e na paciência de Cristo.

O Deus Espírito Santo, nosso preceptor, aquele enviado por Jesus para nos ajudar em sua ausência, vai cuidar dos nossos corações levando-nos a pensar no amor de Deus e na paciência de Cristo.

O amor de Deus é o amor que dá e é diferente do nosso amor que retém tudo. Somos egoístas, Deus é magnânimo. “Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

A paciência de Cristo quanto nos fala ao coração! Desde que atingiu a idade para exercer seu ministério público, até sua saída deste mundo para os céus, sua vida de paciência nos encanta. Como Homem na terra demonstrou-a a cada instante de sua vida, e como o Homem no céu continua exercendo  paciência para com toda a criatura.

Como o “Homem de Dores” nunca se exasperou. Insultado pelos religiosos, desprezado por Pilatos,  e mais tarde zombado pelos homens até sua morte na cruz, o Cordeiro paciente levou sobre si os nossos pecados. E assim, nos céus, continua paciente diante dos pecados horrendos dos homens, à espera de arrependimento e contrição.

Então, melhor pararmos um pouco em nossa correria, meditar no amor de Deus para conosco e imitarmos a paciência de Cristo. Claro que jamais vamos exercê-la como Cristo, mas praticá-la a cada dia será uma abençoada iniciativa.

Quando o amor de Deus fluir em nossas vidas e a paciência de Cristo se tornar nosso ponto forte, nós e aqueles que nos cercam seremos mais felizes.

Que assim seja

©Orlando Arraz Maz

orlandoarraz

orlandoarraz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »