AOS PÉS DE CRISTO, O MELHOR LUGAR

Convidado por um dos fariseus para jantar,
Jesus foi à casa dele e reclinou-se à mesa.
Ao saber que Jesus estava comendo na casa do fariseu,

certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora’,
trouxe um frasco de alabastro com perfume,
e se colocou atrás de Jesus, a seus pés.

Chorando, começou a molhar-lhe os pés com as suas lágrimas.
Depois os enxugou com seus cabelos,
beijou-os e os ungiu com o perfume.(Lucas 7:36-38)

A Bíblia está repleta de narrativas envolvendo a bendita pessoa de Jesus, muitas das quais nos emocionam. Esta, de nossa meditação, é uma delas.

Descobrimos ao ler o texto um fariseu que convidou Jesus para jantar, e podemos deduzir que seu convite era meramente formal, talvez investigativo para acusá-lo perante as autoridades. Sua atitude como anfitrião denota um coração frio e desprovido de qualquer necessidade espiritual. Pelo julgamento que fez à mulher, ele se colocou num pedestal ao afirmar que se tratava de uma pecadora.

Não basta um convite para recepcionar a Jesus em nossas vidas, quando nos colocamos num lugar elevado, ou nos aborrecemos quando somos tratados como pecadores, e o convite se torna apenas uma formalidade espiritual.

Entretanto, a iniciativa da mulher é deveras instrutiva, pois sentiu necessidade em seu coração de ter um encontro com Jesus. Analisou sua vida e descobriu que a melhor solução estava em Jesus. E não perdeu tempo. Munida de um frasco de alabastro, postou-se beijando os pés de Jesus, e com seus cabelos secando as lágrimas neles derramadas. Uma atitude de profunda necessidade, pois era impossível carregar o fardo dos seus pecados, e a melhor solução era depositá-lo aos pés de Jesus. Em seguida, suas mãos carinhosas derramaram em seus pés o perfume precioso.

Nada escapou do atento olhar de Simão, que em seu pensamento censurou o Senhor Jesus, duvidando de sua missão, como profeta e Salvador do mundo. E Jesus em sua onisciência leu o pensamento de Simão, e em seguida contou-lhe a parábola dos dois devedores mostrando ao fariseu a sua frieza em contraste com a devoção da mulher.

Hoje não mais podemos beijar os pés de Jesus e regá-los com nossas lágrimas, mas podemos e devemos trazer em nosso coração o alabastro do nosso louvor e gratidão pelo amor demonstrado na cruz. Fomos abençoados com um amor infinito que cobriu a multidão de nossos pecados, e nos deu a sua paz.

Lamentamos o procedimento de Simão, pois sua história poderia ter sido diferente. Nada tocou seu coração. Saiu da presença de Jesus levando sua arrogância. A mulher, por sua vez, saiu salva e levando sua paz no coração.

Que imitemos esta mulher conhecida como “a mulher pecadora”, e tal como ela, sejamos conhecidos por todos como “pecadores”, salvos por Cristo e possuidores de sua paz.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

 

Orlando Arraz Maz

Orlando Arraz Maz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »