BODAS DE DIAMANTE – UM CASAMENTO ABENÇOADO

13 DE DEZEMBRO DE 1951  –  13 DE DEZEMBRO DE 2011
Tenho imensa alegria em publicar neste blog a história do casal de missionários Sr. James e D.Jenny Crawford, nesta data em que completam 60 anos de um casamento feliz e abençoado.
O povo cristão brasileiro deve muito a este nobre casal, que devem ser imitados como verdadeiros servos do Senhor Jesus Cristo.

     
    Sr. Jaime e D. Jenny:

Os caminhos de Deus, como são maravilhosos.São traçados por Ele, e não admitem falhas. São perfeitos.
Há sessenta anos ele abriu uma estrada, mas não tirou dela curvas longas, subidas ou descidas.E vocês começaram a viagem, sem paradas, muitas vezes sem descanso, mas Sua presença nunca se afastou de vocês.
As curvas, quando apareciam, eram suaves, as subidas e descidas eram amenizadas, pois Sua presença era constante.
Hoje, ao olharem essa estrada, vocês percebem que ela ficou repletas de pisadas, algumas de filhos e de netos, outras de filhos gerados por um ministério abençoado e de vidas transformadas.
O Deus que vocês abraçaram um dia é o mesmo Deus que trabalhou as vestes dos israelitas:
“E quarenta anos vos fiz andar pelo deserto; não se envelheceram sobre vós as vossas vestes, e nem se envelheceu o vosso sapato no vosso pé”.  Deuteronômio 29:5
E é o mesmo Deus que segura vossa mão por essa estrada ao longo dos anos, e será a mesma mão que vos acolherá no Grande Dia.
Parabéns amados irmãos. Vocês falam ao nosso coração

Para entendermos melhor a nossa história, abrangeremos 3 séculos – do século 19 ao século 21.

No fim do século 19 – na Escócia, os pais dos nossos protagonistas nasceram.

O nosso casal nasceu no século 20, mas foram criados à moda do século 19 e agora estão celebrando suas bodas de diamante no século 21.

Em 27 de outubro de 1924, nasceu em Glendaruel, na Escócia, um menino que recebeu o nome de James e que não poderia levar nenhum apelido. Não poderia ser chamado de Jim ou Jimmy, ou qualquer outro apelido, teria de ser James, conforme a lei de uma de suas tias, que vale até o dia de hoje. Mesmo na Escócia hoje em dia, os que tentam chamá-lo de Jim, querendo mostrar mais intimidade, mostram que não são da família, pois sabem que ele sempre foi e será James ou Uncle James, e após vir ao Brasil foi nomeado como Sr. Jaime, e ainda assim mantém a regra da tia.

Sr. Jaime era o caçula, tendo 2 irmãs e 1 irmão mais velhos. D. Mary, a mais velha, nasceu em 28 de abril de 1906 e casou-se com Sr. Craig. Vieram ao Brasil para celebrar suas bodas de ouro em 1982. D. Leila, a segunda filha, nasceu em 23 de dezembro de 1909, e quando moça quis fazer enfermagem e parece que fez com que seus pais mudassem para Glasgow para que estudasse, casou-se com Sr. Guilherme Maxwell e montaram casa na Escócia e vieram para o Brasil em 1938; Sr. Ewing, seu irmão, nasceu em 1918 casou-se com D. Jean.

D. Jenny, nasceu em 29 de maio de 1927, em Newton Mearns. Ela tem um irmão bem mais novo, Sr Alastair, que nasceu em 16 de julho de 1936. Ele e sua esposa D. Esther vieram ao Brasil pela primeira vez para celebrar suas bodas de prata em 1984, e gostaram tanto que voltaram em 1989, quando D. Esther passou mal. Voltaram ainda em 1990 e depois em 1994, não voltando mais devido à saúde de D. Esther.

Sr. Jaime e D. Jenny foram criados em Newton Mearns, frequentando a mesma escola e também a mesma Casa de Oração, onde foram batizados, recebidos em comunhão, casados e de lá foram recomendados à obra missionária aqui no Brasil.

Eles não eram diferentes dos outros. Sr. Jaime gostava de brincar na escola, como subir no pau de sebo, tentando ver quem seria o vencedor. Também gostava de correr, jogar futebol e queria ser jogador profissional, mas o pai dele não permitiu, pois estaria jogando tanto que perderia as reuniões nos fins de semana.

Começaram a namorar, e após a 2ª guerra foram a uma reunião missionária, mas o local estava superlotado, e assim foram para outro local onde havia outro pregador, Sr. Naismith, que era missionário na Índia cuja mensagem os desafiou a servirem o Senhor em tempo integral.

D. Jenny trabalhava em uma empresa como secretária e pediu as contas para fazer enfermagem para se preparar melhor para vir ao Brasil. Por isso que o Sr. Jaime não se preocupa tanto com a correspondência, pois casou-se com uma verdadeira secretária e que ainda não aposentou.

Casaram em 13 de dezembro de 1951, após completar o curso de enfermagem. Como já vinham ao Brasil, não fizeram um casamento caro, cortaram ao máximo as despesas, pensando que o que gastariam em um casamento por um dia poderia ser melhor empregado no Brasil. D. Jenny até abriu mão de se vestir com vestido de noiva pensando em vocês, queridos brasileiros.

Em 4 de abril de 1952 deixaram sua terra natal, seus pais Robert e Agnes Crawford, Dugald e Margaret Allan; seus irmãos Mary, Ewing e Alastair, pois D. Leila já estava no Brasil, e vieram rumo a uma terra estranha. Partiram de Glasgow de trem, indo a Londres e depois até Southampton, onde pegaram um navio, chegando a Santos em 22 de abril de 1952.

Em Santos foram recepcionados pelos Sr. Guilherme, Sr. George Orr e Sr. Harry Ruston, que os ajudaram a retirar sua bagagem na alfândega.

Chegaram a Uberaba, e olha que gracinha, pois quem os esperava, além de Ana e Janeta que já conheciam, também encontraram pela primeira vez com Leilinha…

Ao chegar a Uberaba, começaram as aulas de português com Sr. Guilherme.

Em janeiro de 1953 mudaram-se para São Joaquim da Barra, pois havia algumas senhoras que estavam tentando se infiltrar no meio do povo de Deus, e acharam melhor Sr. Jaime e D. Jenny mudarem-se para cá.

Os filhos dos missionários nasciam nas mãos das parteiras missionárias. Às vezes era mais fácil a parteira estar presente, outras vezes era mais fácil a gestante ir até a parteira.

Assim, em 1953, voltaram a Uberaba e lá nascia o primogênito, paparicado pelas primas por ser um menino, festejado até na Escócia, pois era o primeiro neto menino de ambos os lados. Do lado paterno não era o primeiro neto, pois já tinham 3 netas brasileiras.

O tempo passa, já no seu primeiro aniversário.

Em 12 de fevereiro de 1956, já a parteira vem a São Joaquim e nasce Allan, um menino forte e branquinho.

O casal morou em várias casas alugadas, compraram um terreno e tinham planos de construir depois de voltarem da Escócia, mas não era para ser assim. O dono pediu um aumento de 50% no aluguel, Sr. Jaime achou demais, foi para casa, desanimado, fez cálculos e uma proposta. Dê-me um prazo de 3 meses com o aluguel como está e desocupou a casa, e o dono concordou, e com isso construiu a casa na Rua Acre 694.

Em 14 de dezembro de 1957, agora a gestante vai a Uberaba, pois no dia 13 era a formatura de Janeta Maxwell, e logo após a formatura, a Margaret nasceu.

Em 1958 voltaram à Escócia. Nesse período houve algumas mudanças. Sr. Jaime não mais encontrou seu pai, pois falecera em 1956, e também D. Jenny conseguiu assistir ao casamento de seu melhor irmão, o único.

Em 1960 D. Christina McSorley veio ao Brasil, pois ouvira um relatório de D. Jenny dizendo que havia necessidade de parteiras e enfermeiras aqui no Brasil e veio para trabalhar como parteira; chegou em boa hora, pois em 18 de agosto de 1960, seus serviços foram necessários, pois nasceu um outro menino forte e branquinho.

Nem sempre era só alegria, havia momentos difíceis na vida do jovem casal.

Muitas vezes a vida era dividida em períodos entre Brasil (6 anos) e Escócia (1 ano) para que os filhos pudessem estudar nas escolas e também pelo fato de a viagem de ida durar mais ou menos 21 dias, então não podia fazer uma viagem de pouco tempo. Agora a mesma distância se faz não em 21 dias, mas em 24 horas, então há uma adaptação: menos tempo lá e às vezes mais viagens a miúdo.

Num desses períodos de tempo no Brasil houve várias mortes de familiares. Chega notícia da terra natal de que o irmão do Sr. Jaime falecera, jovem, e de repente… a distância fica ainda mais longe; em 1961, Robert faleceu, por fim a mãe do Sr. Jaime também faleceu.

Em 22 de maio de 1963 em São Joaquim da Barra, nasce um outro joaquinense, forte e branquinho, mimado por todos, mas que veio a falecer em outubro do mesmo ano.

Em 1965, Sr. Jaime pretendia visitar Brasília com Sr. Guilherme. A família toda foi à Uberaba e, na volta, D. Jenny dirigindo a Kombi, sofreu um acidente, pois um pneu furou e a Kombi capotou. Houve a ajuda de pessoas que trouxeram a família à São Joaquim, e Ordelina levou um susto ao abrir a porta e dar de cara com a família Crawford toda suja e descabelada e com sangue pelo rosto… Sr. Jaime acabou não indo à Brasília, voltou, passou e viu a Kombi e a D. Leila disse: estão mentindo, pois ninguém saiu vivo dessa Kombi, mas todos estavam vivos, uns com arranhões, outros, cortes, e o Willie com braço engessado, e depois ainda com o gesso pegou catapora… e como coçava o braço engessado…

Em 1966, na Escócia, passaram um ano morando com os pais de D. Jenny, e foi um período em que os netos foram mimados pelos avós,que já conheciam Allan e Meg mas que não mais se lembravam deles.

O casal muitas vezes levava duas moças, ora uma ora outra, Ordelina e Aguinalda e, muitas vezes, ao saberem que tinham dois filhos e uma filha, o comentário surgia: “Olha que casal estrangeiro legal, adotaram uma menina de cor… tão diferente dos outros três filhos ”. Ordelina e Aguinalda passavam mais como filhas do que a Meg, mas não sabiam a razão. Lembram-se da formatura da Janeta? Pois é, naquela madrugada a Meg nasceu, e Uberaba ficou tão boquiaberta diante de tanta beleza que apagou a luz e ela nasceu à luz de vela, por isso ficou moreninha…

Sr. Jaime viajava muito para um lugar e outro levando a palavra de Deus e D. Jenny ficava em casa cuidando dos filhos, muitas vezes tendo de fazer decisões sem poder ligar para pedir opinião, sem poder enviar email nem torpedo para saber a opinião do Sr. Jaime.

Ela foi responsável por escrever cada hino a mão para que depois Sr. Luiz Soares e Jairo Roberto escrevessem as palavras abaixo das notas antes de ir para a gráfica. Mesmo com gripe não parou.

Aqueles que possuem o “Cânticos de Sião” com música podem notar que é uma verdadeira obra de arte – legado de D. Jenny para o povo brasileiro. Sr. Ramón preparou os fotolitos retratando fielmente o serviço e sacrifício que ela teve. Não é à toa que agora sofre de bursite.

Muitas vezes Sr. Jaime ia a Uberlândia com Euseli Dantas para fazer compras na sua DKW. E ao chegar a São José da Bela Vista era conhecido como seu sogro.

Tem dois netos de sangue, mas tem muitos netos e até bisnetos espirituais

Sr. Jaime não gosta de hospital.Passou somente uma noite em 1987, e só ficou mesmo no hospital depois de comemorar seu aniversário de 80 anos na Escócia, em seguida veio ao Brasil e passou por uma cirurgia. Nas horas difíceis sempre contou com um abraço amigo e, não ficou sozinho no hospital. Na recuperação – foi paparicado…

Sr. Jaime sempre se interessou por gráfica, editoras, livros e, esse interesse fez com que se envolvesse na revisão de Hinos e Cânticos, junto com a equipe inicial e até a equipe atual. Depois, como tesoureiro de A Senda do Cristão, e também na distribuição de 5.000 exemplares a cada 3 meses.

Finalmente, recordando Wilma Strachn e Alex John da Escócia, que se pudessem estar aqui e dizer algo, seria:

Sr. Jaime e D. Jenny, lembre-se que o Deus dos Montes é o Deus dos Vales. E também se passar no vale: Vá e diga tudo ao SENHOR.

Minha gratidão à Margaret, sua filha, que forneceu os dados acima.

Orlando Arraz Maz

orlando

orlando

Uma resposta

  1. Q beleza, ótimo! Já orei no meio do relato, agradecendo e louvando a Deus por esse esforço abençoado e abençoador dos queridos Sr. Jaime e Da. Geny, juntos em todo este tempo, para servir-nos. Glória a Deus!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »