CÂNTICO DOS VITORIOSOS – NÃO O CANTO DOS ESCRAVOS

“Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estranha”?

Quando leio este salmo, tento vislumbrar o panorama descrito pelo salmista. Parece-me um fim de tarde, o sol tentando se pôr, e de mansinho as nuvens brancas se retirando dos céus. Alguns homens, mulheres e crianças estão sentados à margem do rio, calados, pensativos,e facilmente se descobre que são judeus, longe dos campos de trigo, das terras outrora fartas.

Vejo juntamente com eles outro grupo de pessoas, sorrindo e despreocupadas, longe de problemas.São elas que oprimem os judeus e  pedem para que cantem os salmos de Davi, de Asafe e de tantos outros compositores judeus.

Mas a voz não lhes sai da garganta e as harpas estão sem uso, suspensas nos salgueiros que cobrem o rio.

Que quadro mais sombrio e triste.

É difícil cantar as canções do Senhor em terra estranha, na presença de um povo cruel e sanguinário como os babilônios. Um povo que desconhecia a grandiosidade do Deus de Israel.

Quantas vezes me vejo à “beira de um rio”, no cair de uma tarde sombria, com meus pensamentos longe de Deus, distante das minhas origens. E cercado de “amigos” que me pedem uma canção, minha voz não saí da minha boca.

Lembro-me de Pedro, o discípulo impulsivo sentado entre os inimigos do Senhor. Lá estava ele numa “terra estranha”, sem poder contar as maravilhas de Jesus e falar dos seus grandes feitos. Outra não foi a saída, senão dizer bem alto que não conhecia o Galileu recentemente preso, na sala de julgamento.

O que fazer então na terra estranha? Primeiramente, jamais deveríamos ser levados para lá. Mas a nossa fraqueza e distância do Senhor  permitiu que o inimigo nos tornasse cativos. Devemos fazer o que Pedro mais tarde fez: chorar amargamente,e arrependidos, buscar refúgio nos braços de Jesus, confessando nossa fraqueza e derrota e nunca mais sairmos da sua presença.

O cântico do Senhor jamais será entoado em terra estranha, pois seus ocupantes desconhecem os acordes dos céus.

Que o Senhor nos guarde, preservando nossas vidas e testemunhos dentro de seus limites, onde poderemos entoar o cântico dos remidos, lavados pelo sangue do Cordeiro.

“De Meditações nos Salmos”
Salmo 137:5
 
Orlando Arraz Maz

orlando

orlando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »