CARLOS VIEIRA – CHAMADO PELO SENHOR

 

Carlos pequena blog

“E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, 

mas os discípulos não conheceram que era Jesus”

 

João 21:1 a 14


Nesta terça-feira, dia 15, após um período de sofrimento, partiu para estar com Cristo, nosso amado irmão Carlos Vieira.

 Na sua juventude entregou sua vida a Cristo, servindo-o com dedicação e fidelidade, deixando para todos uma vida de testemunho.

 Conheci esse amado irmão desde os seus tempos de criança, e tive o prazer de acompanhar seus primeiros  passos nos caminhos do Senhor.

 Foi criado num lar cristão com seus três irmãos, desfrutando de seus pais o exemplo e o ensino das Sagradas Escrituras.

 No dia 5 de outubro, em visita no hospital onde estava internado, tive a oportunidade de ouvir sua convicção com respeito à bendita pessoa de Cristo, e sua proximidade de um encontro com Ele. Disse-me que estava em paz e que aguardava seu encontro com Ele. Cantamos um hino, oramos e entre lágrimas nos despedimos. Dez dias depois, no dia 15 por volta da 1,10 hs. da manhã, descansou, dormindo no Senhor.

 No dia do seu velório levei uma singela meditação, que agora transcrevo, e que desejo seja proveitosa para confortar sua esposa Hilda, os filhos Eric e Nélida, demais familiares e todos os que com ele conviveram.

 Meus queridos:

 Lembrei-me do hino cantado pelo povo evangélico, cuja estrofe aqui transcrevo:

 Espero a manhã radiosa, 

O bendito alvorecer, 
Quando as mágoas e tristezas 
Desta vida eu esquecer 

Coro: 
Eu espero mui ansioso, 
Meu Jesus aqui voltar; 
Eu aguardo as boas-vindas 
De Jesus, na praia de outro mar. 

Daí minha mente foi para o texto de João 21, quando Jesus apareceu na praia do mar de Tiberíades para encontrar-se com alguns dos seus discípulos. Eram sete ao todo. Dois cujos nomes foram omitidos, sendo um deles o apóstolo João,  revelado pela expressão: “Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro”.

 A cena da crucificação ainda estava latente em seus corações. As horas de horror e agonia de Jesus até ser retirado da cruz. E no primeiro dia da semana, a gloriosa ressurreição do Mestre.

Tudo era passado, e agora se encontraram na praia do mar de Tiberíades. Talvez sem esperanças, entristecidos. Jesus estava ausente. E Pedro, o mais atingido pela tristeza, deu a ideia de pescar, no que os demais concordaram. E assim, voltaram para os seus barcos.

 Aqueles homens tiveram suas vidas transformadas pelo poder de Jesus Cristo. De simples pescadores foram comissionados para pescadores de almas. E durante a bendita convivência com Cristo, puderam ver milagres extraordinários, pessoas ressuscitadas, curadas, pessoas salvas por sua palavra, reavivadas por seu convite e seu conhecimento de Profeta, como a mulher samaritana.

 Assim se dá com todos os filhos de Deus. Um dia foram chamados por Cristo, tiveram suas vidas modificadas, acompanharam pela fé os milagres descritos nas Escrituras,  provaram as delícias de um viver abençoado, mas chegou a hora da tristeza, da dor, do choro,como aqueles sete discípulos, mas, como eles, sem perder a confiança no Senhor.

 Amados irmãos aqui presentes, embora a tristeza cubra nosso coração, e nossas lágrimas afloram em nossos olhos, guardemos a certeza de que Jesus está por perto. Está pronto para nos alimentar com suas palavras de consolo.

 Assim foi com nosso amado irmão Carlos. A dor chegou, o sofrimento foi intenso, as lágrimas chegaram, mas o Salvador sempre esteve por perto. Tão perto que ele sentia sua presença dentro do seu  coração.

 O apóstolo Pedro, entretanto, assim que soube que era o Senhor, cingiu-se de sua túnica e se lançou ao mar, diretamente para o encontro com Jesus.  E encontrou uma refeição saborosa seguida de um dos mais sublimes convites de Jesus “Apascenta minhas ovelhas”

 Amados em Cristo, depois da noite escura, vem a presença de Jesus trazendo-nos o que há de melhor para o nosso coração, especialmente consolo nas horas tristes.

 O irmão Carlos já avistou seu Salvador na “praia”, e agora descansa nele.  Ele espera a manhã radiosa, a volta do Senhor Jesus não mais numa praia, mas dos céus, quando ouvirá o som da trombeta do Arcanjo. E nesse dia se levantará da sepultura com  um   corpo de glória que estará para sempre com Jesus.

 “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras”                                                                 1 Tessal. 4:16-18

Que tais palavras confortem nossos corações.

 Orlando Arraz  Maz

 

orlandoarraz

orlandoarraz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »