Crônica do guarda – chuva

Dedicada a todos que abominam guarda-chuva

Caia uma chuva pesada lá pelas cinco da manhã. Acordei e passei  a pensar nas pessoas que saiam para o trabalho. As filas de ônibus e os metrôs lotados. Dormi novamente, pois era dia de minha folga e acordei lá pelas nove. A manhã estava ensolarada, um céu nublado, e não chovia mais.

 

Uma pequena cirurgia estava agendada para as duas da tarde, e lá por volta do meio dia e meia peguei meu carro, e o deixei num estacionamento perto de uma estação do metrô, caminhei três quadras e embarquei rumo à consulta. Aqui entra a alma desta crônica: meu guarda-chuva, que mais parecia um bordão de pastor. Estava comigo a contra gosto, pois por insistência de minha mulher fui constrangido a levá-lo. Minhas argumentações não foram suficientes para convencê-la se choveria,  muito menos a mim, que fiquei naquela dúvida, e se chover? Bem, lá estava eu no metrô com meu bastão. Somente eu com guarda-chuva, e mais ninguém. Tinha a sensação de deboche nos olhares das pessoas.

 

Ao descer na estação, passei a caminhar pela Avenida Paulista, e só eu com meu bastão, e um forte sol esquentando minha cabeça. E ninguém com guarda-chuva. Cheguei a pensar como seria bom cair um pé d’água, e ver toda essa gente correndo da chuva e se molhar dos pés à cabeça. Mas nada de chuva, e só eu com aquele monstro em minhas mãos. Bastante chateado e bravo com a sugestão de minha mulher, tomei o elevador e todos lá dentro sem guarda-chuva. Somente eu. Na sala de espera a mesma coisa.

 

No consultório, após a pequena cirurgia,  quase ia me esquecendo do danado. A médica olhou para mim, e eu cabisbaixo falei: “aposto que hoje não vou abrir esse guarda-chuva”, dei um sorriso amarelo, o pendurei em meu braço e percorri o mesmo caminho de volta. Mas chuva, nem pensar. Um céu cinzento e bastante iluminado e o sol quente doía. E no vai e vem da Paulista, só eu de guarda-chuva. No metrô, a cada estação que o trem parava ficava atento às pessoas: todas sequinhas, sinal de que lá no alto não chovia. Chegando numa estação, ao nível da rua, vi alguns pingos no trem e minha frustração começou dar lugar à alegria. Pensei: vai chover, que bom.

 

Chegou a minha parada, subi as escadas rolantes e meu potente bastão pendurado no meu braço. Ao atingir a rua, qual não foi minha alegria: chovia a cântaros. Olhei para ele, dei um sorriso maroto, e o abri com força. Lá estava eu triunfante sozinho pela calçada enquanto todos corriam da chuva.

 

Que alegria.

 

Orlando Arraz Maz


orlando

orlando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »