HAITI – UM ANO DA TRAGÉDIA. SERÁ QUE FOI A MAIOR?

12/01/2011

Como passou tão depressa a tragédia que abalou o mundo! Ao depararmos as cenas que nos foram transmitidas pela televisão, era impossível não se emocionar: crianças, idosos, homens, mulheres, sob os escombros em meio aos ferros retorcidos. E o lamento de cada um ainda parece ecoar em nossos ouvidos.

Os terremotos sempre trouxeram em seu bojo uma história de desespero, de dor, de abandono, de impotência. E este, de maneira especial, foi apresentado ao mundo em tempo recorde com todos os seus detalhes, graças à tecnologia tão avançada do século 21.

Através dos anos muitos outros ocorreram, com vítimas sem conta, e que não chegou às nossas salas. Quase nada ficamos sabendo, e muitas histórias tristes não pudemos acompanhar.

Dois profetas relataram um grande terremoto: Amós e Zacarias. E segundo os entendidos, foi um terremoto de grandes proporções.

Voltando ao terremoto ocorrido no Haiti, muitos se questionaram: “Onde estava Deus”? “Ou, por que Deus não evitou tamanha tragédia”? “Envelheceu e caducou?”. “Ou não conseguiu “prever” a tempo, e o terremoto o pegou de surpresa?

Tais questionamentos são terríveis e beiram à loucura de quem assim pensa. Por certo, ainda, não entendeu o caráter de Deus e muito menos seu amor imutável, perfeito em todas as situações.

Tiago, o escritor da carta, assim escreve aos seus leitores: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança”. A maior dádiva é o amor de Deus. O amor que entregou seu único Filho para morrer em uma cruz, para nos oferecer uma salvação eterna.

A tragédia do Haiti não foi a maior. A tragédia da cruz, cujas imagens chegam ao coração sem a necessidade da tecnologia, essa sim, foi a maior. Imagens do filho de Deus morrendo em uma cruz e que só podem chegar ao coração e convencer  o homem pecador por obra e graça do Espírito Santo. As imagens de um Pai entregando seu Filho para morrer em uma cruz.

Sim, Deus estava presente durante o terremoto no Haiti. E quantos puderam sentir sua presença salvando, curando, livrando, confortando.

Mas na cruz, a maior tragédia de todos os tempos, Deus se fez ausente abandonando seu amado Filho, a ponto dele exclamar: “Deus meu, Deus meu por que me desamparaste”? Desviou seu rosto para não contemplar o  meu e o teu pecado, que na morte de seu Filho caia sobre Ele.

E hoje, por causa dessa tragédia que atravessa os tempos, Deus se manifesta presente em cada coração de todo o que  aceita seu filho como Salvador e Senhor, e nas situações mais tristes da história permanece ao nosso lado para nos confortar.
Assim foi com o povo do Haiti e assim será com todos que o amam e jamais duvidam da sua presença bendita e consoladora.
A Ele toda a glória.
Orlando Arraz Maz
orlando

orlando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »