NATAL, TEMPO DE ALEGRIA

 E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre milhares de Judá,
de ti me sairá o que será Senhor em Israel,
e cujas saídas são desde os tempos antigos,
desde os dias da eternidade. (Miqueias 5:2).
E entrando o anjo onde ela estava, disse:
Salve, agraciada; o Senhor é contigo:
bendita tu entre as mulheres. (Lucas 1:26-28)

Pensando, ainda, no Natal, e meditando no texto de Miqueias 5:2, descobrimos que Deus escolheu a cidade e escolheu quem seria a mãe do Salvador. A cidade seria Belém Efrata, ou Belém de Judá, que quer dizer casa do pão, onde muitos acontecimentos históricos se sucederam: lá, Raquel, esposa de Jacó, foi sepultada; Noemi e seu marido Elimeleque, por causa da fome, mudaram-se de Belém, escolhendo Moabe, onde mais tarde morreram os filhos de Noemi e seu marido. Rute, sua nora, mais tarde casou-se com Boaz, de onde nasceu Davi. São estes os diversos acontecimentos que se deram na pequena Belém, culminando com o maior de todos, o nascimento do Senhor Jesus.

Deus escolheu a mãe. Em uma cidade obscura, para lá se dirigiu o anjo Gabriel. Quanta honra para este ser angelical, cuja missão é relatada no evangelho de Lucas: “E, respondendo o anjo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui envido a falar-te e dar-te estas alegres novas” (Lucas 1:19). Em outras ocasiões o anjo Gabriel foi enviado a Daniel para ajudá-lo a entender suas visões, e muito tempo depois foi enviado para anunciar o nascimento de João Batista, que em princípio duvidou da grata notícia, resultando daí sua mudez. Mas, desta vez coube a ele levar novas de grande alegria ao coração de uma jovem chamada Maria. Tão diferente do velho Zacarias, que após ouvir as explicações do anjo Gabriel, disse: “Eis aqui a serva do Senhor, cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela” (Lucas 1:38).

Quanta verdade nas palavras do anjo, declarando que seriam novas de grande alegria. Naquela noite inesquecível para os pastores, a mensagem do anjo foi singular: “O anjo, porém, lhes disse: Não tenham medo! Estou aqui para lhes trazer boa nova de grande alegria, que será para todo o povo: é que hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lucas 2:10,11). A mesma alegria foi sentida pelos magos ao contemplarem no céu a estrela que os guiou até o humilde lugar: “E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra” (Mateus 2:10,11).

A alegria que vem do nascimento de Jesus é a mesma que vem ao coração de todos os que creem nele, pois esta é sua promessa: “Tenho lhes dito estas coisas para que a minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa”. (João 15:11).

Quando Zaqueu quis conhecer a Jesus do alto de uma árvore, aceitou o seu convite para descer e o recebeu com alegria. (Lucas 19:6).

E quando Jesus subiu ao céu, os discípulos “adorando-o, voltaram para Jerusalém cheios de alegria” (Lucas 24:52)

O Natal é tempo de alegria, não alegria nas reuniões familiares, nas festividades, nas trocas de presentes, pois esta é passageira e termina assim que termina o dia de Natal. A alegria real deve ser a mesma dos pastores, dos magos, de Zaqueu e de todos os que encontram Jesus, não mais na manjedoura, mas vivo no coração, como Salvador, Cristo e Senhor.

Caso tenha sido assim este o seu Natal, parabéns. Sua alegria permanecerá para sempre. Se não, peça a Cristo para nascer em seu coração e seu Natal será todos os dias, e sua alegria não terá fim.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *