PECADO PERDOADO = SALVAÇÃO, ALEGRIA E PAZ

Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.
Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade,
e em cujo espírito não há engano. Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos
pelo meu bramido em todo o dia.
Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim;
o meu humor se tornou em sequidão de estio. (Pausa). (Salmos 32:1-4)

O pecado entrou no coração do homem sem pedir licença, desde que a porta foi aberta. Instalou-se confortavelmente trazendo prejuízos inevitáveis a todos, desde à criança gentil e delicada até ao mais idoso entre os mortais. Ninguém poderá negar seus efeitos por mais que lhe dão outro nome, como desvio de personalidade, gênio forte, herança genética, e uma infinidade de outras definições.

Neste salmo, um dos salmos penitenciais, Davi deixa claro em quatro palavras os motivos de sua alma transformar-se em sequidão de estio: “transgressão”, “pecado”, “maldade” e “engano”, e cada um deles é um aspecto de ofensa moral e é tratado pela misericórdia e perdão divinos.

Davi estava vivendo sob o peso de um pecado tremendo tentando encobri-lo, algo impossível. E este fardo tirava-lhe a alegria e a paz, até que um dia resolveu confessar suas transgressões a Deus. Até então seu silêncio foi uma recusa em conhecer o seu pecado, e assim não havia alívio em sua alma, nem de dia nem de noite. E Davi nos ensina que é possível desfazer-se desse fardo e desfrutar uma vida plena. Não é buscando recursos humanos, ou nas religiões, mas agarrando-se à misericórdia de Deus.

O apóstolo Paulo, anos mais tarde escrevendo a carta aos Romanos cita este salmo e assim o descreve: “Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado.” (Romanos 4:7, 8).

Então, a porta aberta que permitiu a entrada da transgressão e que roubou a paz ao homem, agora também é aberta para entrar a paz e a alegria pela sincera confissão. Devemos, portanto, atentar aos passos dados por Davi: “Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: “Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado”. (Pausa). (Salmos 32:5)

A confissão dos nossos pecados exclusivamente feita a Deus, os apaga para sempre de sua presença, pois Ele é fiel e justo para assim fazer: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. (I João 1:9)

A paz obtida por Davi depois de sua confissão é a mesma de todos os que confessam os seus pecados, resultando em alegria permanente: “Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, vós os justos: e cantai alegremente todos vós que sois retos de coração”. (Salmos 32:11)

Que assim seja

Orlando Arraz Mas©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *