SEDE DE DEUS NO DESERTO

 

Sede de Deus

Salmo 63:1 “Ó Deus, tu és o meu Deus forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água”. 

Conheço o deserto pelas imagens da televisão ou pela descrição nos livros, e sei que é um lugar terrível. Para o turista é uma atração, mas para o viajante é um lugar desolador. O sol escaldante e a falta de sombra para descanso são motivos que me deixariam assustados se lá estivesse.

Embora não conheço este deserto, há outro bem conhecido e muitas vezes habitado por muitos – o deserto das provações -, onde o sol forte queima e a sede seca a garganta. Não há sombra e muito menos “pastos verdejantes”.

As provações atingem sem piedade e não escolhem pessoas nem lugares. Elas podem se manifestar numa derrota, numa perda de um bem ou de um ente querido, num fracasso, num desânimo, e por aí teríamos uma lista infindável. E como flechas atingem em cheio nosso interior e nos abatem.

Muitas vezes as provações se transformam num deserto interminável, escolhemos o melhor esconderijo, e como caramujos nos fechamos. E com esta atitude de isolamento, nos ferimos e muitas vezes machucamos os que nos tentam ajudar.

Davi conheceu estes dois desertos – o do corpo e o da alma. E ambos se mesclam em sua vida. Estava no deserto como fugitivo, sem comunhão com muitos de seus amigos, ameaçado de morte por seu filho Absalão e longe da arca de Deus que ficara em Jerusalém. E prontamente ele encontra saída no deserto de Judá à procura de um Deus forte, acessível, pronto a dessedentar sua alma abatida e fraca.

Eu e você temos o privilégio de termos o mesmo Deus de Davi, que vem ao nosso encontro no sol mais forte do deserto das provações. Saiamos do nosso esconderijo de lamúrias e corramos para os braços de Deus. Ele deseja refrescar nossa alma e regar nosso coração como uma terra seca e exausta. Ele transformará nosso deserto no jardim mais florido. E como Davi, tenhamos um cântico em nossa boca: “Porque és a minha ajuda, canto de alegria à sombra das tuas asas”.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Esta entrada foi publicada em ARTIGOS. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *