JESUS, O VERBO DE DEUS

  

O verboNo princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 

      E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.

Com tais palavras inicia-se o majestoso Evangelho de João.

 Qual castelo esplendoroso abre suas portas e nos convida a entrar e apreciar seu interior. E João vai nos mostrar a beleza incomparável de Jesus.

 Primeiramente quer nos apresentar o Verbo de Deus, aquele que sempre existiu. Assim se expressa o poeta sacro: “Verbo do altíssimo! Eternamente, antes dos tempos, junto de Deus; antes dos séculos Deus sempre foste, na glória eterna, nos altos céus”.

Muitos se esforçam para negar a divindade de Jesus, e para a própria condenação deturpam as Sagradas Escrituras.

O apóstolo João deixa claro que “João”, o batista, foi enviado de Deus; mas quanto ao Verbo era o próprio Deus.

O escritor da carta aos Hebreus esclarece-nos “ que Ele é “o resplendor da glória do Pai”, e a “expressão exata do seu Ser”. (Hebreus 1:3 e 10:5) e que seu corpo foi preparado para vir ao mundo.

O Verbo se fez carne, gloriosa verdade! Deus não mandou um espírito, nem tampouco um anjo, mas um homem de carne e osso, pois só assim poderia se igualar com o ser humano em todas as áreas, exceto no pecado, o que jamais conheceu. Ele é o Todo Poderoso, porque é Deus e assim mesmo, identifica-se conosco porque é homem.

 O verbo se fez carne para que pudéssemos imitá-lo, e para andarmos como ele andou. “Aquele que diz estar nele, também deve andar como ele andou” (I João 2:6)

O verbo se fez carne para tocar leprosos, para ressuscitar mortos, para chorar com as irmãs de Lázaro, e para lamentar o destino de Jerusalém. E habitou entre nós. Condescendeu em morar ao lado de criaturas vis e pecaminosas, para em seguida ser levado a morrer em uma cruz.

Sim, o verbo que se fez carne não se envergonha de nos chamar irmãos, “Pois tanto o que santifica como os que são santificados, vêm todos de um só; por esta causa ele não se envergonha de lhes chamar irmãos”. (Hebreus 2:11).

O verbo que se fez carne garante a ressurreição dos nossos corpos, para sermos um dia como Ele é.

 Permaneça de joelhos diante da grandiosidade do Verbo e creia nele como seu Salvador.

 Que assim seja

 Orlando Arraz Maz

orlandoarraz

orlandoarraz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »