Natal – Tempo de Reflexão

O Natal assinala um período totalmente diferente na vida das pessoas. Há uma mudança acentuada no comportamento delas, que se preocupam em trocar presentes, comparecer às festas, abraçar os amigos, fazer surpresa para os filhos vestindo a roupa do Papai Noel, e tantas outras conotações com a festa magna da cristandade.

Creio que usando o bom senso, não há nada de errado neste comportamento.

Mas o Natal deveria ser um tempo de reflexão, com vistas ao retorno da família em volta da mesa conversando e trocando experiências, o que há muito se perdeu em nossa cultura.

Durante o ano quase findo, o pai foi um visitante noturno; a mãe, ocupada com seu serviço muitas vezes distante de casa, e os filhos num corre – corre indo e vindo dos estudos. E nas pouquíssimas horas de folga, o televisor tomando conta da sala.

Que tal darmos uma oportunidade de diálogo como presente à família e férias para o televisor?

Vamos transformar este Natal em um tempo de reflexão, avaliar como gastamos as horas do ano que quase está findando, tirar lições expressivas a fim de que elas venham a mudar nosso comportamento.

O diálogo na família tornou-se peça de museu, tão raro, tão escasso. Quando existem, são monossilábicos. Ou é o pai dirigindo-se ao filho e este respondendo sucintamente, ou a esposa conversando com seu marido. Mas o televisor na sala toma conta do ambiente e cada detalhe tem seu rico comentário.

Este comportamento tem um reflexo direto na vida da juventude. Muitos não sabem conduzir um assunto, discutir um tema, analisar um livro, e quando conversam entre si, há um palavreado sofrível que só eles entendem. Sem dúvida há exceções honrosas entre jovens que manejam bem a língua, com idéias lúcidas e raciocínios sadios. Sobre estes, entretanto, a família exerce grande influência.

 Está distante o tempo em que o chefe da família, após o jantar, reunia os filhos, abria a Palavra de Deus, lia e comentava um texto, estimulando idéias e pensamentos. Aos poucos insuflava a Palavra abençoada nos corações dos filhos, preparando-os para as atividades do dia seguinte. Há relatos de pessoas que muitos anos depois, adultos com suas famílias constituídas, que se lembravam daqueles tempos e das bênçãos que alcançaram.

Hoje, os meios de comunicações, o esforço para conquistar um lugar melhor na sociedade, a busca de recursos para suprir as necessidades da família, retiraram a hora da comunhão e da reflexão ao lado do fogão. Lamentavelmente não se usam mais as mesas para o jantar, mas o prato em uma mão, o talher na outra, e os olhos fixos no televisor. A família dispersou-se pelos cantos da casa, cada filho em seu quarto. O mesmo ritual se repete a cada dia e assim passam-se os meses, os anos, a família envelhece e os valores espirituais não mais existem.

Que este Natal seja um tempo de reflexão, a fim de avaliarmos as oportunidades perdidas, os diálogos interrompidos e a oração feita na base do sufoco. Deus não pode se agradar da família que assim procede. Ele deseja que suas leis estejam nos corações como nos tempos antigos. “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais entre os teus olhos; e as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas” (Deut.6:6 – 9).

Há muito assunto para ser falado na família. Nos tempos bíblicos era demonstrada a fidelidade de Deus no meio de Israel e sua libertação da opressão do Egito. Os pais transformavam este assunto nos diálogos mais vibrantes.

Hoje podemos falar da fidelidade de Deus, do amor de Jesus Cristo, sua obra poderosa na cruz, a transformação do pecador em nova criatura. Há muito assunto para falarmos após o jantar, com a família reunida. Podemos orar pelos temores e necessidades de nossos filhos, leva-los à presença de Deus, enfim, criar um ambiente espiritual no seio de nossa família.

Que tal começarmos neste Natal? Falarmos aos nossos filhos o que muitos já se esqueceram, que Deus Homem veio habitar entre nós, armar a sua tenda por um pequeno período, morrer na cruz justificando o ser humano e ressuscitar demonstrando o poder de Deus. Mostrar aos nossos filhos, com palavras sábias, que o nosso Salvador é muito mais que o presépio montado nas lojas e em muitas casas – é Jesus Cristo que ama, salva e abençoa.

Este pode ser o início de um diálogo que deve se prolongar todos os dias do ano que está por vir. Outros virão com temas atuais, como uma matéria na escola não entendida, ou um artigo para ser interpretado, um livro para ser analisado, uma decepção com algum colega de escola, enfim, cabe a nós, pais e mães, criarmos um ambiente saudável em nosso lar

Mas para tudo isso o televisor deve ser assistido com sabedoria , sem roubar a comunhão da família, criando hábitos, gestos e palavras que deturpem o caráter de nossos filhos.

Que haja um empenho maior no diálogo sadio entre nossa família, e que pais e mães sejam pastores nas mãos de Deus, a fim de levar seus filhos à um conhecimento real de Jesus Cristo, o Salvador dos homens. Por certo,um dia lembrarão desse tempo e das influências que receberam na sua juventude.

Que este Natal seja um tempo abençoado e de sincera reflexão.
Que assim seja.

Orlando Arraz Maz

orlando

orlando

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »