OS ARQUIVOS DE DEUS

 

“E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante
do trono; e abriram-se uns livros; e abriu-se outro livro,
que é o da vida; e os mortos foram julgados
pelas coisas que estavam escritas nos livros,
segundo as suas obras”. (Apoc. 20: 12)

Nunca se falou tanto nestes dias em “apreensão de documentos”. Policiais com mandados judiciais em suas mãos vão às residências, e lá procuram por computadores, onde por certo acharão indícios de crimes cometidos. As pessoas suspeitas  jamais imaginaram que seriam descobertas; outras ocultam nomes e os substituem por apelidos para despistarem as autoridades; ainda outras não admitem a hipótese de serem descobertas. Uma coisa é certa: a intranquilidade tira-lhes o sono e a paz.

Olhando para as Sagradas Escrituras encontramos os “arquivos de Deus” – os livros citados pelo apóstolo João – em seu Apocalipse. Entre os livros há o “Livro da Vida”  onde apenas nomes são registrados; e outros livros onde os “atos” são registrados,  sujeitos à condenação da parte de Deus,.

Entretanto, a mão de Deus apaga os atos sujos e vergonhosos daqueles que se arrependem, e creem na morte sacrificial de Cristo na cruz do calvário.  Seus nomes são transferidos para o Livro da Vida: “Sou eu, eu mesmo, aquele que apaga suas transgressões, por amor de mim, e que não se lembra mais de seus pecados”.(Isaias 43:25). Tais pessoas se alegram por este fato deslumbrante.

Nos demais livros que serão abertos naquele dia, estão registrados pecados cometidos  que não foram deixados e nem confessados a Cristo. Tais registros são infalíveis ao contrário dos arquivos humanos. Mas destes ninguém tem medo e não perde o sono, o que é deveras triste.

As buscas das autoridades podem ser adiadas ou até canceladas, mas as de Deus são certas, e destas todos podem gozar tranquilidade, desde que busquem o perdão de Deus para apagar seus atos pecaminosos.

Os atos ilícitos dos homens encontrados nos arquivos são passíveis de condenação, pagam multas, cumprem penas e voltam para suas casas. E por toda vida carregam peso em suas consciências, e são sempre hostilizados nas ruas.

Entretanto, quando é Deus quem apaga nossas transgressões dos seus “arquivos”, nada disso ocorre. Saímos aliviados de sua presença, com um coração puro e com um espírito renovado, tal qual o rei Davi após confessar o seu pecado (Salmos 51).

Hoje é tempo de suplicar o perdão de Deus, para que o nosso pecado seja apagado dos livros, e seja registrado nosso nome no Livro da Vida. E assim, naquele dia não temeremos a abertura dos livros, e enquanto aqui vivermos, dormiremos um sono tranquilo e sem medo. “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto”. (Salmos 32:1)

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

 

Orlando Arraz Maz

Orlando Arraz Maz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »