OS OLHARES DO SERVO APRESENTADOS POR MARCOS

Jesus levantou os olhos aos céus. Marcos enfatiza os olhares do Servo. É uma das características distintas deste Evangelho. Era costume do Senhor olhar em redor, às multidões que o cercavam, às pessoas que iriam ser curadas, aos seus discípulos, à lugares, e também à face de Deus, nos céus.


Seu rosto demonstrou Sua indignação, quando Ele olhou em redor e viu aqueles que não queriam que o homem da mão ressequida fosse curado no sábado (3:5).

Grande afeição pelos Seus discípulos foi demonstrada através de Seu olhar, aos que estavam junto dele na casa em Cafarnaum, quando Sua mãe e Seus irmãos vieram procurá-lo (3:34).

Um terno interesse se encontra na expressão, “olhava em redor”, para ver quem tinha tocado a orla da Sua veste (5:32).


Em duas ocasiões Ele olhou aos céus. Seu espírito de gratidão foi visto ao agradecer a Deus pelos pães (6:41), enquanto que, na segunda ocasião, Ele demonstrou ao surdo que o poder para curá-lo viria do alto.


Havia um olhar de amor no Seu rosto enquanto Ele conversava com o jovem rico: “E Jesus olhando para ele o amou” (10:21), mas também um olhar de desapontamento, quando o jovem retirou-se triste da Sua presença, sem a vida eterna.

O olhar mais significativo ocorreu no Templo, depois da Sua entrada triunfal em Jerusalém; “Tendo visto tudo em redor, como fosse já tarde, saiu para Betânia com os doze” (11:11).


O Servo perfeito de Jeová, o Messias de Israel, veio aos Seus, mas os Seus não O receberam, por isso Ele retirou-Se, com tristeza estampada no Seu rosto.
Transcrito de “Comentário Ritchie” –Vol.2

O olhar de Jesus

Pela fé vi seu olhar naquela cruz
Quando minha dívida era liquidada.
Prostrei-me reverente e submisso,
E minha carga foi aliviada.

Aquele olhar de compaixão e graça
Acompanha-me por onde vou.
É meu conforto, meu gozo e alegria,
Saber que por Ele salvo estou.

Por onde quer que vá, caminharei
Confiante até findar meus dias.
Na eternidade sem reservas falarei,

Como Jó, com toda convicção:
“Ve-lo-ei por mim mesmo, e os meus olhos”,
“E não outros o comtemplarão”.
Orlando Arraz Maz








orlando

orlando

One Response

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »