UM JANTAR INESQUECÍVEL

 

Durante o jantar oferecido ao Senhor Jesus por Simão, um fariseu,  surgiu um dos diálogos mais surpreendentes com lições profundas para todos.

O fariseu displicente abandonou as mais elementares regras de uma recepção, dando oportunidade a “uma mulher da cidade, pecadora”, de demonstrar de forma exemplar as belezas de uma recepção à altura do convidado, Jesus.

Tudo o que ela fez naquele jantar fugiu da normalidade. Ao contrário de Simão, que nada fez, e que se tivesse feito, faria tão somente por mera formalidade. Seria uma recepção formal e fria. Num certo sentido foi bom que ele nada tivesse feito, pois sua omissão serviu de lição para ele e para todos os que viriam a ler  o relato bíblico através dos anos.

Em uma recepção normal o visitante seria recebido com uma bacia de água à porta de entrada da casa, e dependendo das posses do anfitrião, um escravo lavaria os seus pés. Por certo Simão conhecia bem este procedimento, ora recebendo amigos em sua casa, ora sendo-lhe oferecido água para os seus pés em casas onde fora convidado.

Neste dia, portanto, sua recepção foi fria. Uma mulher da cidade, pecadora, foi o instrumento usado para apontar suas falhas.

Simão não ofereceu água. Embora fosse atencioso para com Jesus promovendo-lhe um jantar, descuidou-se em servi-lhe água para refrescar seus pés. A poeira das estradas, o desconforto do suor produzido pelo calor, não foram suficientes para mover o coração do fariseu. Tratou Jesus com desprezo.

O comportamento do fariseu nos leva a pensar no formalismo de muitas pessoas que desejam a presença de Jesus, mas que o tratam com desconfiança e desdém. Desejam extrair o máximo mas não querem lhe oferecer o mínimo. Desejam a Cristo, mas recusam ofertar-lhe as honrarias que merece.

A mulher pecadora, pela narrativa exclusiva de Lucas, por certo alcançara o perdão de seus pecados. Ouvira o convite terno de Jesus: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. (Mateus 11:28). 

Assim como o fariseu, muitos hoje desejam a companhia de Jesus sem passar pela experiência de uma nova vida, sem provar as belezas do perdão, sem conhecer as ternas misericórdias de um Deus Salvador.

A mulher pecadora não trazia um cântaro com água, e sim um coração profundamente agradecido. Entrou na casa do fariseu, e de mansinho aproximou-se de Jesus, bem perto dos seus pés que foram regados com suas lágrimas. A água do poço do fariseu que nem sequer fora tirada, perdeu sua utilidade. As lágrimas da mulher jorravam da fonte do seu coração e desciam aos pés de Jesus que eram beijados incessantemente.

Jamais alguém recepcionara um visitante trocando a água da cisterna pelas lágrimas dos olhos. O fariseu por certo nunca presenciara uma cena igual a esta. Bem à sua frente estava uma mulher desprezível segundo sua avaliação.

Entretanto, a água que Simão não oferecera a Jesus eram as lágrimas da mulher e a toalha de linho que o fariseu deixou bem guardada, eram seus cabelos .

O fariseu não saudou a Jesus com o beijo hospitaleiro tão comum naqueles tempos, e ainda usado por alguns povos em nossos dias. O beijo na face que o fariseu não deu, foi dado pela mulher nos pés de Jesus.

Mais uma vez a anormalidade em seus gestos nos espanta: lágrimas em lugar de água; cabelos em lugar de toalha, beijos nos pés em lugar do rosto.

Havia mais um ingrediente nesta manifestação de amor da mulher: a unção que o fariseu não fez. A unção com óleo servia para refrescar. Talvez esta fosse a última parte da saudação, quando os visitantes reclinavam-se à mesa para a refeição. O fariseu falhou em cada uma dessas atitudes cordiais, tratando o Senhor Jesus como qualquer pessoa de suas relações.

Em lugar do óleo extraído da oliveira, comum em todas as casas naqueles tempos, e na casa do fariseu, a mulher fez uso de unguento que fora guardado em um vaso de alabastro. O valor do óleo de oliveira para o fariseu seria insignificante, ao passo que o unguento usado pela mulher foi extremamente caro.

Enquanto a mulher se deliciava aos pés de Jesus, honrando-o com seus beijos e suas lágrimas e ungindo sua cabeça com o unguento precioso, o fariseu nutria seus pensamentos em desabono às qualidades de profeta do Senhor Jesus. “Se este fosse profeta, saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é pecadora”.

O fariseu viu tão somente o mal na mulher, sua vida de pecado, sua péssima reputação, julgando-se superior com um caráter sem qualquer nódoa. Mediu o comportamento da mulher usando sua vida como padrão, e aí resultou todo o seu engano.

À luz das palavras de Jesus, seu caráter foi exposto, e para sua vergonha precisou ouvir a história contada dos dois devedores. “Simão, uma coisa tenho a dizer-te. Dize-a Mestre”, replicou Simão. A história contada por Jesus é de uma profundidade sem par, que por certo falou ao coração do insensato fariseu.

Simão acertou em cheio a questão apresentada por Jesus, após contar-lhe a história dos dois devedores perdoados. “Qual deles, portanto, o amará mais”? “Respondeu-lhe Simão: Suponho que aquele a quem mais perdoou”. “Replicou-lhe: Julgaste bem”.

E a partir do vers. 44 Simão entendeu o quanto seu comportamento denunciara a frieza do seu coração.

O escritor evangélico J.C.Ryle, assim comenta esta passagem: “Julgaste bem. Eis aí a razão do amor profundo que a penitente manifestou. As lágrimas copiosas, o afeto terno, a veneração pública, o ungir os pés do Senhor, tudo teve origem na mesma causa: muito lhe fora perdoado, portanto amava a quem a perdoara. O amor foi o efeito do perdão, e não a causa; a consequência e não a condição;o resultado e não o motivo; o fruto e não a raiz. Queria o fariseu saber por que a mulher manifestara tanto amor? Era porque a ela muito fora perdoado. Queria saber por que ele mostrara tão pouco amor ao convidado? Porque não devia nada ao convidado; não tinha convicção íntima de haver obtido perdão; não se julgava devedor a Cristo”. (Comentário.Ev.São Lucas).

Ao encerrarmos estes breves pensamentos, que nosso coração possa arder como o coração daquela mulher, pois fomos perdoados da multidão dos nossos pecados e fomos levantados com braço forte – o braço do Senhor. “… E a quem se manifestou o braço do SENHOR?” (Isaías 53:1).

Que possamos oferecer adoração àquele que nos perdoou da multidão dos nossos pecados, e que nossas vidas se prostrem aos seus pés, afim de   que o bom perfume de nossa gratidão e de nosso amor por Cristo exalem de nossos corações.
A Cristo seja toda honra e glória.

Orlando Arraz Maz
Leitura na Bíblia: Ev. de Lucas 7: vers. 36 a 50

orlando

orlando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »