SUAS PROMESSAS ESTÃO SENDO CUMPRIDAS? OU NÃO?

 Quando iam pelo caminho, disse-lhe um homem:
Seguir-te-ei para onde quer que fores’.(Lucas 9: 57) 

O novo ano ainda repercute dentro de nós. Lembramos dos cumprimentos dos amigos e familiares, do almoço farto, das conversas desperdiçadas, e também dos presentes ganhos no Natal. São agradáveis tais recordações.

E das promessas feitas na passagem do ano?  Elas estão sendo cumpridas ou já foram esquecidas? Promessas de mudanças de atitudes na família, reconciliação acompanhada de perdão, refazer a amizade perdida, esclarecer algum mal entendido, enfim, tanta coisa prometida. Sem dúvida, se foram cumpridas o novo ano se descortina na maior felicidade.

Mas há ainda promessas no campo religioso. Iniciar o novo ano lendo regularmente a Bíblia, assistir aos cultos da igreja, amar com mais intensidade seus irmãos na fé e estreitar os laços fraternos, enfim, ser mais cuidadoso nos assuntos espirituais. E essas promessas, estão sendo observadas?

No texto que se destaca nesta meditação há uma promessa que chama nossa atenção. Por sinal muito semelhante às que muitos fazem em nossos dias.  Um homem ficou maravilhado com o ensino de Cristo e de seus milagres relatados neste capítulo do evangelista Lucas. A multiplicação dos pães e peixes, a bendita confissão do apóstolo Pedro, depois da transfiguração de Jesus, a cura do jovem lunático, em seguida o exemplo de humildade abençoando uma criança, e por fim o amor pelo povo samaritano. Todas essas manifestações impactaram aquele homem, e no calor do seu coração, disse a Jesus: “Seguir-te-ei para onde quer que fores”. E Jesus percebendo que não passava de mera emoção, respondeu-lhe: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”. Nada sabemos sobre a atitude deste homem depois de ouvir Jesus. Seu entusiasmo estava longe de ser uma conversão genuína, pois seguir a Jesus é decisão da alma que não mede as circunstâncias.

Talvez suas promessas tenham sido feitas no calor das emoções, daí a razão de não serem cumpridas. Entretanto, ainda há tempo para correr após elas.

Já as promessas de caráter espirituais devem ser levadas a sério, mesmo. Devem partir do fundo do coração, proveniente de uma convicção extraída da Palavra de Deus. Não devem ser feitas movidas pela emoção, pois estas são como águas agitadas que depois voltam à normalidade. Renove suas promessas ainda hoje, e peça ao Senhor Jesus que te ajude a cumpri-las, pois, sem dúvida,  seu desejo é andar pelos seus caminhos e fazer a sua vontade.

Só assim este ano será excepcional para você, concedendo-lhe uma nova experiência da graça de Deus sobre sua vida. Não desanime, pois se nossas promessas são fracas e falhas, as de Jesus são incomparavelmente fiéis e verdadeiras. Jesus cumpre o que nos promete. Esta certeza nos dá o apóstolo Paulo: “Pois, tantas quantas forem as promessas de Deus, todas têm em Cristo o “sim”. Por isso, por intermédio dele, o “Amém” é proclamado por nós para a glória de Deus. (II Cor.1:21)

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

 

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

METAS PARA O ANO NOVO

 

 

Diz o SENHOR: Instruir-te-ei e te guiarei no
caminho a seguir;
os meus olhos estarão sobre ti
para aconselhar-te.(Salmo 32:8)

 

Que mensagem mais confortante para nossas vidas, saber que temos um Deus interessado em nos instruir e guiar pelo caminho a seguir. De fato precisamos mais do que nunca, pois o novo ano que se aproxima está totalmente vedado aos nossos olhos. Nada melhor confiar naquele que tudo sabe e conhece.

Quantas vezes queremos seguir de acordo com nossos pensamentos, fazer do nosso jeito, ouvir a nossa própria voz, e nos damos muito mal. Talvez tenha sido esta experiência nos dias que ficaram para trás deste ano, e que nos tenham trazido muitas decepções e lágrimas.

Então, que tal, estabelecermos uma divisa para este novo ano – “ouvir os conselhos de Deus” – pois somente assim seremos libertos de enganos e decepções. Devemos, a cada dia, declarar-lhe nossa obediência e dizer: “estou pronto para ouvir e obedecer-te”. Assim fazia o rei Davi: “Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e andarei na tua verdade; dispõe o meu coração para temer o teu nome” (Salmo 86:11).

Deus nos guia com seus olhos. Não um olhar de reprovação, de temor, mas de cuidados. Leva-nos a pensar em nossa infância quando dependíamos do olhar de nossos pais. Eles estavam sempre por perto, e nada os distraia nem lhes tirava a atenção. Nossas vidas tão frágeis dependiam da direção dos seus olhos.

Que este novo ano não nos esqueçamos destes cuidados de Deus, pois somente assim pouparemos lágrimas e derrotas ao longo do caminho. Não confiemos em nossas forças e sabedoria, pois perante Deus ainda somos crianças frágeis.

Assim será possível um Ano Novo Feliz.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

NATAL – COMEMORAÇÃO DO NASCIMENTO DE JESUS

NATAL – COMEMORAÇÃO DO NASCIMENTO DE JESUS

UM NOME INIGUALÁVEL

 

O seu nome permanecerá eternamente; 
o seu nome se irá propagando de pais a filhos,  enquanto o sol durar; 
e os homens serão abençoados nele; 
todas as nações lhe chamarão bem-aventurado”.  (Salmo 72:17)

            Muitas vezes o nome causa orgulho ao seu possuidor, com algumas exceções. Há os que o honram levando uma vida digna e honesta, enquanto há os que o maculam, com ações reprováveis pela sociedade. Outra característica é a pequena lembrança de nomes de pessoas que se notabilizaram por seus feitos, que logo é apagada da memória por muitos.

             Olhando para este salmo do rei Davi descobrimos que há um nome que nunca se apaga da memória e que muitos o guardam no coração. Não se trata de Salomão, seu filho, mas daquele que um dia viria nascer, cujo nome fora profetizado pelo profeta Isaias: “Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaias 9:6).  Sim, o nome de Jesus é incomparável, pois somente ele poderia declarar: “Eis aqui quem é maior que Salomão” (Mateus 12:42).

              Durante    alguns anos o nome de Salomão ficou em evidência entre os judeus, como lembrança de feitos históricos, e hoje poucos o conhecem.

              Mas o nome de Jesus é conhecido nos lugares mais distantes do planeta, pelos sábios e nobres, pelos simples, pelas crianças, pelos índios na mais densa floresta. E todos que conhecem e amam esse nome são fartamente abençoados. Quem diria, hoje, que alcançou a maior benção através da vida de Salomão? Sem dúvida, ninguém. Mas no nome de Jesus há uma multidão que não se pode contar.

             O natal é a comemoração do nascimento de Jesus – um nome dado por Deus  pelo anjo que anunciou seu nascimento à virgem Maria: “ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados”  Um nome exaltado por Deus, nas palavras do apóstolo Paulo: “Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai” (Filipenses 2:9-11).

                  Portanto, alegra-nos o coração saber que o nome de Jesus “permanecerá eternamente e que será irá propagando de pais a filhos, enquanto o sol durar; e os homens serão abençoados nele; e todas as nações lhe chamarão bem-aventurado”.  (Salmo 72:17)

                 Que tal comemorar este Natal na certeza de que Jesus dá paz ao coração, cura para feridas e salvação para a alma? E que seus efeitos benéficos permanecerão enquanto durar o sol. Só assim teremos um abençoado Natal.

               Que assim seja
Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

DOR

 

 Quando era pequeno brincava de “esconde-esconde”, e encolhido com a cabeça entre os joelhos, ficava atrás da porta. As outras crianças custavam a me achar. Era bem divertido, e quando me descobriam era uma verdadeira festa.

 Os anos chegaram e ainda brinco de “esconde-esconde”. Quero ficar atrás da porta, mas não consigo dobrar meus joelhos nem colocar minha cabeça entre as pernas. Os joelhos não dobram, a rigidez do ombro é uma dificuldade, e ainda, o espaço entre eu e a porta é pequeno.

 Não é mais uma brincadeira de criança, alegre, prazerosa, feliz. Ela se chama dor. Hoje quero me esconder, mas não posso. Se tentar, ela me encontra sem demora num piscar de olhos.

 A dor é bem ingrata e muitas vezes ganha a “brincadeira”, ora me assusta e derruba, ora abate e me deixa triste, sem forças e prostrado. Quero vê-la bem distante, mas ela sempre quer ficar por perto. Não me larga. É uma brincalhona de verdade.

 Creio que o rei Davi também conviveu com a dor. Há muitos salmos onde deixa clara tal circunstância, e em especial no salmo 41: 3 “O Senhor o assiste no leito da enfermidade; na doença tu lhe afofas a cama”.

 Por mais macio que sejam o travesseiro e o colchão, (plumas, palhas, penas), quando estou com dor se tornam materiais pesados como pedras ou chumbos. E Davi nos conta o seu segredo. Deus tem os seus recursos para transformar em maciez leitos de pedras e de chumbos, e com seu amor afofar a nossa cama. Sua presença é consoladora e animadora mesmo em meio à dor.

 Quantos se desesperam diante da dor, descreem da misericórdia de Deus, e o insultam com palavras insolentes, muitas vezes eliminando a própria vida. A fé em Deus nessa hora é a melhor saída e deve sobrepujar a dor, pois o poder das suas mãos se faz presente como uma rica promessa, sempre afofando o nosso leito.

 Já sei como espantar a minha dor. Quem vai brincar com ela sou eu, e escondido no “segredo de Deus”, duvido que ela me encontre para desanimar-me.

 Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

A BÍBLIA – O LIVRO DE DEUS

 

Uma iluminação tem sua utilidade sempre à noite, embora muitos lugares usem-na durante o dia. Mas é na escuridão que a luz se propaga, e quanto mais escuro o lugar, mais predomina a iluminação.

Nos mares os grandes faróis orientam as embarcações, mostrando-lhes rotas seguras sem os perigos de acidentes.

Entretanto, a meditação deste versículo nos apresenta outra utilidade da luz, uma lâmpada para iluminar o caminho. A “noite escura” da maldade do coração do ser humano e do pecado, nos distancia de Deus e dificulta nossos passos para agradá-lo.

A lâmpada que o salmista se refere é a palavra de Deus, a Bíblia Sagrada. No próximo domingo, dia 10 de dezembro, é comemorado o seu dia, pois ela tem sido o verdadeiro farol que ilumina os passos dos homens, apontando-lhes para o Senhor Jesus, que transforma os corações.

Napoleão Bonaparte, o imperador francês, assim falou sobre ela: “A Bíblia não é um simples livro, senão uma Criatura Vivente, dotada de uma força que vence aos que se lhe opõem”.

Segundo dados do “Guiness Book” a Bíblia já foi traduzida para 349 idiomas e é o livro mais vendido do mundo. Os números absolutos, porém, são incertos, mas há estimativas de que mais de cinco bilhões de cópias foram distribuídas desde o século XIX.

Embora a Bíblia seja o livro mais vendido do mundo, é pouco lida, pois ainda há muitas pessoas que a ostentam em suas bibliotecas, ou em um móvel de sua sala, tão somente aberta em um salmo de sua predileção para trazer sorte, ou bons fluidos para o dia.

Quando a Bíblia for lida com o coração sedento de Cristo, ele será achado por todos, e fará morada permanente nos corações endurecidos. O apóstolo Paulo conhecia perfeitamente o valor da Palavra de Deus, e deixou claras instruções ao seu filho na fé, Timoteo:

Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra”.

 Que os dias tão escuros em que vivemos, onde  muitos são arrastados para os caminhos de destruição e morte, sejam iluminados com a luz da  Bíblia, e tenham perfeita orientação, deixando que sua luz penetre seus corações e mude suas vidas.

 “Andas tu na escuridão sem nada ver? Abre o coração e deixa Cristo entrar, sua luz em ti raiar. Deixa a luz do céu entrar; deixa o sol em ti raiar. Abre bem a porta do teu coração: Deixa agora Cristo entrar” (HC 699)

 Jesus é o centro das Escrituras, e como ele é a luz do mundo, creia de coração em sua Palavra , e só assim a Bíblia será “lâmpada para os seus pés e luz para o seu caminho”.

 Que assim seja

 Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

ALGEMAS QUEBRADAS

 

“Venha perante a tua face o gemido dos presos; segundo a grandeza do teu braço preserva aqueles que estão sentenciados à morte”. (Salmo 79:11)

Ao ler este versículo me vem à mente o período triste da escravidão, fartamente relatado em nossa história, e bem realçado por Castro Alves em sua obra “O Navio Negreiro”.

Asafe, o escritor deste Salmo, também apresenta a situação trágica dos cativos. O  inimigo invadiu Israel, tomou posse da capital, corrompeu o templo sagrado, e reduziu a cidade em ruínas. Os que sobreviveram ao massacre se tornaram escravos e foram levados como cativos para outras terras. Daí o clamor do povo: “Venha perante a tua face o gemido dos presos; segundo a grandeza do teu braço preserva aqueles que estão sentenciados à morte”.

Clamar por socorro a Deus é a melhor e única solução. Foi exatamente o que fez o povo  de Israel outrora escravo no Egito. “Sob o açoite dos feitores de Faraó, também clamaram e Deus os atendeu: ”Pois o clamor dos filhos de Israel chegou até mim, e também vejo a opressão com que os egípcios os estão oprimindo… por isso desci a fim de livrá-los” (Êxodo 3:,8-9)

Entretanto, há uma escravidão que supera todas as demais, e que foi apontada por Jesus ao combater os fariseus: “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é escravo do pecado.”  (João 8 : 34)

O pecado tem sido o algoz do ser humano, que o leva a  um viver fadado ao sofrimento e  à separação eterna  de Deus. Rouba-lhe a paz, tira-lhe o sono, e estabelece um clima de terror. O pecado esfria o amor e separa famílias. O pecado é uma fonte contínua de lágrimas a jorrar.

Jesus veio ao mundo, nasceu de uma virgem, e como Deus-Homem  levou sobre si as nossas transgressões, e como nosso substituto morreu em uma cruz.

Diante do quadro tenebroso do pecado, mais uma vez Jesus vem nos ensinar: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Há uma poesia adaptada por José Ilídio Freire, em forma de canto que diz: “Os meus grilhões Jesus quebrou com sua poderosa mão; por seu poder me libertou, não vivo mais na escravidão” (HC 596). Na cruz Jesus Cristo com sua morte vicária, proclamou a libertação dos escravos,  e trouxe a paz ao coração do homem.

Quando o ser humano compreender e depositar sua fé na obra redentora de Jesus, crer que Ele padeceu na cruz por seus pecados, ganha total   libertação que é concedida por Ele.

Você, ainda, carrega algemas nas mãos e grilhões nos pés? Busque em Jesus a Verdade, e Ele te libertará. Só assim você poderá cantar: “Os meus grilhões Jesus quebrou, não vivo mais na escravidão”.

Que assim seja

Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário

OS QUE FICARAM SEM NOME

 “Enviou, pois, dois dos seus discípulos, e disse-lhes:
Ide à cidade, e vos sairá ao encontro um homem levando um cântaro de água;
seguí-o; e, onde ele entrar, dizei ao dono da casa:
O Mestre manda perguntar:
Onde está o meu aposento em que hei de
comer a páscoa com os meus discípulos?” (Marcos 14:13,14)

Há muitos relatos registrados na Bíblia de pessoas que conviveram com Jesus, cujos nomes desconhecemos.

Seus feitos foram notados por Jesus, mas seus nomes não nos foram revelados.

Entre vários registros, lembro-me do menino com seus cinco pães de cevada, e seus dois peixinhos. Com eles Jesus alimentou cerca de cinco mil; e a oferta da viúva pobre, a mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus, todos sem seus nomes registrados, mas que se tornaram célebres em todo o mundo e em todas as épocas.

Quero destacar, dentre os que ficaram sem o nome registrado, o homem que cedeu sua casa para ser usada por Jesus por ocasião da ceia da pascoa.

Nada sabemos sobre ele. Pedro e João ficaram responsáveis de preparar a páscoa, e foram buscar de Jesus as instruções necessárias.

Eles encontrariam um homem levando em seus ombros um cântaro com água, serviço que normalmente era feito por mulheres. Assim, seria mais fácil identificá-lo na cidade de Jerusalém. Eles deveriam segui-lo até à casa para onde ia, e lá chegando, perguntariam: “onde está o salão de hóspedes para o Mestre comer a Páscoa com seus discípulos”?

Este homem não se importou em ser seguido pelos discípulos, o que me faz pensar na obra realizada pelo Espírito Santo que nos leva até à casa do Pai.

Lá chegando, os discípulos pediram o salão de hóspedes, um aposento pequeno para ser usado por visitantes inesperados. Mas o homem mostrou-lhes uma ampla sala no andar superior, mobiliada e pronta.  Ofereceu o melhor.

Quando o Espírito Santo nos leva à Casa do Pai, recebemos mais do que esperávamos: além de uma salvação gloriosa, o perdão de nossos pecados, a presença real de Jesus em nossas vidas, a vida eterna e promessas incontáveis e preciosas.

Que possamos apreciar em nossas vidas a lição deste homem cujo nome desconhecemos, em meio a uma sociedade onde os nomes com seus grandes feitos têm seus destaques, seus aplausos e suas glórias.

Tais pessoas ficaram eternizadas nas páginas da Bíblia como aquelas que serviram a Jesus simplesmente por amá-lo.

Que esta seja a qualidade do meu amor para com Jesus.

Que assim seja.

Orlando Arraz Maz©

Publicado em ARTIGOS | Deixar um comentário