Jeová Tsidkenu – Senhor, Justiça nossa

 

                                                                     Robert Murray M’Cheynneenhum cristão poderá ler a biografia ou os escritos de Robert Murray McCheyne sem se aperceber de     

Nenhum cristão poderá ler a biografia ou os escritos de Robert Murray McCheyne sem se aperceber de que a verdadeira medida da vida não é por sua duração, e sim por sua utilidade.

 Ele exerceu o seu breve ministério por sete anos e meio e morreu aos 29 anos de idade. Contudo, a frutuosidade dessa vida tão curta permanece até o dia de hoje.  Tampouco o volume das nossas atividades ou das nossas palavras reflete o verdadeiro valor da nossa vida.

 

McCheyne deixou notas de apenas 300 sermões quando morreu em 1843, porém o conselho que ele deu a um colega de ministério explica porque estes sermões trouxeram tanta bênção, não somente aos “ruidosos operários e aos manhosos políticos” de Dundee, mas posteriormente a todas as partes do mundo de fala inglesa.

 

“Apanhe os seus textos das mãos de Deus – os pensamentos,as palavras dele, tome-os das mãos de Deus…  O que Deus abençoa não é tanto os grandes talentos quanto a grande semelhança com Jesus.  Um ministro santo é uma temível arma nas mãos de Deus.  Uma palavra dita por você quando a sua consciência está limpa e clara e o seu coração está cheio do Espírito de Deus,  vale dez mil palavras ditas na incredulidade e no pecado.”

 

O poema abaixo é de sua autoria, um belo hino com base em sua estima crescente pelo Senhor, sob o título:

 Jeová Tsidkenu – Senhor, Justiça nossa (Jeremias 23:6)

 

Era alheio outrora à graça e a Deus,

Não sabia do perigo nem dos pesos meus;

Amigos falavam, embevecidos, de Cristo no madeiro,

Mas, para mim,

Jeová Tsidkenu ainda não era verdadeiro.

 

 

Lia com prazer para me entreter ou me livrar da ansiedade,

A exuberância de Isaías, ou de João, a simplicidade;

Mas, nem mesmo ao imaginar de Cristo o sangue carmesim,

Jeová Tsidkenu significava algo para mim.

 

Como as lágrimas que as filhas de Sião vertiam,

Chorava quando as águas sua alma encobriam;

Não pensava, contudo, em meus pecados

cravados no madeiro;

Para mim, Jeová Tsidkenu ainda não era verdadeiro.

 

Quando a graça generosa  despertou-me com a luz do alto,

Fui tomado de temor e de mortal sobressalto;

Nenhum refúgio ou segurança em mim mesmo posso encontrar,

Somente Jeová Tsidkenu pode me salvar.

 

Diante desse nome nenhum terror pode restar;

Banida a culpa, com ousadia hei de me aproximar

Para beber da fonte viva que jamais terá fim;

Jeová Tsidkenu é tudo para mim.

 

Meu tesouro e glória eterna, Jeová Tsidkenu!

Jamais me perderei, Jeová Tsidkenu!

Seja nas águas, seja em terra firme, em ti serei vencedor,

Minha corda e âncora, minha armadura e escudo protetor!

 

 

Mesmo no vale da sombra da morte,

Lembrar-me-ei desse nome e serei forte;

Pois, quando o Senhor desta vida febril me libertar,

Jeová Tsidkenu serão as últimas palavras que meus lábios hão de pronunciar.


Que assim seja

 

orlando

orlando

One Response

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem vindo!

Deixe seu comentário no final da postagem aqui no blog.

A SENDA DO CRISTÃO

HINOS E CÂNTICOS

O FOLHETO FALANTE

Clique no folheto que abrirá em PDF

Postagens Recentes

BANDEIRA DA ESPERANÇA

Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio   e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu

Leia mais »

TORRE FORTE E INABALÁVEL

Uma homenagem à Casa de Oração de Jardim Botucatu pelos seus 48 anos de atividade. 1973 – 2021  As torres construídas ao longo da história

Leia mais »

BOAS OBRAS NA PANDEMIA

“Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me

Leia mais »

UM NOVO VIGOR

  UM NOVO VIGOR Senhor, traga de novo ao coração do crente A comunhão da igreja dos primeiros dias. A conversão sincera, novo andar e

Leia mais »

QUAL O TAMANHO DO SEU SOFRIMENTO?

  Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão

Leia mais »

O SANGUE QUE ME PURIFICA

“sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos

Leia mais »